Filosofia Ciência e Religião

Filosofia Ciência e Religião

 Filosofia Ciência e Religião

Albert Einstein, em 1905, publicou sua Teoria Especial da Relatividade – e depois a ampliou, editando como Teoria Geral da Relatividade – Nessa ocasião ele promoveu uma ruptura revolucionária entre os Conceitos básicos da Física Newtoniana, e a nova realidade conceitual de um novo Universo, que se apresentaria curvo, e inserido num contínuo espaço-tempo.

O trabalho de Einstein possibilitou uma nova mentalidade, uma nova maneira de Focalizar Mentalmente, para o estudo dos fenômenos atômicos. Assim, durante os anos 1920, estabeleceu-se uma nova compreensão da estrutura da matéria.

Com o desenvolvimento da Mecânica Quântica, através dos trabalhos de Niels Bohr, Werner Heisenberg, Wolfgang Pauli, Erwin Schrödinger e outros, descobriram uma estranha propriedade quântica: os elementos atômicos, a luz e outras formas eletromagnéticas têm um comportamento duplo diante das experiências feitas pelos humanos.

A natureza do comportamento observado era estabelecida pela expectativa expressa no experimento a que estavam sujeitos: Ao fazer experiências com a Luz, onde se esperavam encontrar partículas, detectavam partículas, da mesma forma quando se esperava encontrar onda, encontravam onda.

Era como se a Expectativa, como fenômeno Mental direcionado pela Consciência, se refletisse na experiência, determinando resultados. Como se poderia conciliar o fato de que uma forma de Energia podia se apresentar sob dois aspectos ao mesmo tempo, e como manter a objetividade se a expectativa do esperado pela Consciência parecia determinar um ou outro comportamento experimental?

 A solução foi dada por Niels Bohr ao elaborar o princípio da complementaridade. Ele estabelece que, embora mutuamente excludentes num dado instante, os dois comportamentos são igualmente necessários para a compreensão e a descrição dos fenômenos atômicos. Também a ação de uma Consciência, era o “fator oculto” que influía nos fenômenos estudados pelos físicos.   

Niels Bohr aceita a discrepância de lógica que há entre os dois aspectos extremos, mas igualmente complementares para uma descrição exaustiva de um fenômeno, causado por algum tipo de Focalização Mental.

No domínio da Energia Quântica não se pode ter uma objetividade completa, pois tudo indica que a Consciência Humana poder determinar o comportamento da Física.

Ruiu, assim, mais um pilar newtoniano-cartesiano, o mais básico: não se pode mais crer num universo determinístico, mecânico, no sentido clássico do termo.

Seria como estabelecer um Fundamentalismo Filosófico na Física e não admitir a probabilidade de outras possibilidades.

A Física deixa de ser determinística para se tornar probabilística, e o mundo de sólidos objetos materiais, que se pensava bem definido, se esfumaça num complexo modelo de ondas de probabilidade influenciadas pela Consciência Humana.

Ficou demonstrado que a certeza num universo determinístico era fruto do desejo humano de controle e previsibilidade sobre a natureza, e não uma característica intrínseca da mesma.

 A concepção newtoniana era apenas uma formulação lógica sobre a natureza, refletindo uma ideia pessoal de Universo.

A mais revolucionária descoberta, porém, foi a demonstração experimental do pilar central da Teoria da Relatividade: as partículas materiais podem ser criadas a partir da pura energia e voltar a ser pura energia. A equivalência entre matéria e energia é expressa pela famosa equação E=mc2. Na atualidade o que mais espanta é que um Ser Humano, Consciente e Conhecedor do fenômeno, pode, por enfoque mental adequado, fazer esse tipo de conversão, seja ele religioso ou não, adotando uma psicoreligiosidade ou não.

Segundo Einstein, as partículas representam condensações de um campo contínuo presente em todo o espaço. Por isso o universo pode ser encarado como uma teia infinita de eventos correlacionados, e todas as teorias dos fenômenos naturais passam a serem encarados como meras criações da mente humana, esquemas conceituais que representam aproximações da realidade; pois, não há uma realidade definida até o momento em que ela é percebida mentalmente pelo observador, com algum tipo de expectativa.

No Código da Huna, da tradição oral da Polinésia, de há mais de 11.000 anos, há a afirmação: “Tudo está interligado, como uma Teia, e somos todos Um”. Quem ensinou isso a eles naquele tempo?

Agora Voltemos nossa atenção para o Fato de que o estudo da Física iniciou com uma postura filosófica de Newton, e as experiências na Física Moderna levaram os Físicos a outra postura Filosófica menos Fundamentalista.

A Religião Cristã de início era baseada em uma Filosofia Fundamentada nas ideias expressas pelo Apóstolo Paulo. Segundo Paulo O Espírito Santo de Deus habita no Homem, sendo o Homem um Templo do Espírito Santo. Assim sendo, a versão Paulina, a respeito dos milagres era baseada no livro de Atos dos Apóstolos, (Capítulo 2: verso de 1 até 4).

Quando do Pentecoste vieram línguas de fogo sobre as pessoas que receberam o poder de Deus (metáfora e alegorias). Entendemos que Paulo admitia que O Poder viesse de dentro das pessoas, (1ª Epístola de Paulo aos de Corinto, Capitulo 6: 19). Creio que podemos imaginar que os Apóstolos moviam a Energia Quântica, entendida como o Espírito Santo de Deus que preenche os espaços do Universo. Uma coisa não nega a outra e vice-versa.

Com o desenvolvimento da Religião na Linha do Tempo, a leitura da Bíblia foi proibida pela religião dominante, e as pessoas deixaram de saber a respeito das ideias de Paulo, e das possibilidades de que o Poder vem de dentro. Inclusive algumas pessoas que manifestavam poder, foram perseguidas e em certo tempo, eliminadas. Os líderes que criaram a Religião como Sistema Arbitrário baseado em Crenças Limitantes, e estruturado em normas e princípios dogmas e rituais, um Fundamentalismo Filosófico, não apresentavam esse Poder.

Assim, para resumir, a Religião Cristã se caracterizou por uma coleção de crenças limitantes, reguladas, por princípios, normas, dogmas e rituais que hoje conhecemos como Fundamentalismo, tal como a Física Newtoniana – Cartesiana.

Seus líderes atuais se dividem entre Fundamentalistas, e outros que, em alguns lugares se permitem as manifestações de habilidades psíquicas, as quais não devem ser confundidas com fenômenos hipnóticos, induzidos em terceiros lugares, com a finalidade de arrecadação financeira.

Jesus, denominado o Cristo (do grego, cristos=iluminado), como Sumo Sacerdote da Ordem de Melquisedeque, aprendeu a mobilizar energia quântica na prática, demonstrando habilidades psíquicas entendidas como milagres, mas afirmando pessoalmente “isto eu faço para que creiam em mim”. O Senhor Jesus oferecia uma Filosofia de Vida, baseada em mudança de padrões de comportamento e valores éticos, tal como na Huna, e ofereceu a ideia de que “o reino dos céus está dentro de vós”, e de que o Poder vem dentro de vós.

Assim sendo podemos entender o Salmo 82: verso 6, “Eu disse, sois deuses (pequenos deuses), e vós outros sois todos filhos do Altíssimo. (os que ainda não são pequenos deuses).

Entendemos por pequenos deuses, todo indivíduo que sendo Consciente do que faz, por enfoque mental adequado, é capaz de movimentar uma forma de energia, que produz efeitos subjetivos na Consciência e no cérebro de terceiros, e efeitos objetivos na matéria. Uns nascem sabendo (dom do Espírito), e outros podem aprender por exercícios mentais, feitos de modo Consciente.

Assim como a Física, a Religião pode deixar de ser determinística para se tornar probabilística, e o mundo de sólidos pensamentos lógicos até razoáveis, se bem que pouco prováveis, que se pensava bem definido, se esfumaça num complexo modelo de ondas de probabilidade influenciadas pela Consciência Humana.

Alberto Barbosa Pinto Dias, Bacharel em História Natural (todas as Disciplinas Biológicas e Geológicas), Licenciado, Especialista. USP, 1955.
Qualquer questionamento sempre será bem recebido e respondido.

Postado em : Ciência e Religião

Deixe sua mensagem

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

.