Concordâncias e Discordâncias – 1

Concordâncias e Discordâncias – 1

A Propósito de Concordâncias e Discordâncias -1 (Folhas do Outono)

Leia cada parágrafo. Pare, medite analise e questione, estou no aguardo!
É uma análise de situações, constatações sem críticas nem condenação.

Este texto tem a finalidade de colaborar com todo aquele que se dispõe a ajudar pessoas como leigo, ou, profissional, sempre lembrando, que as pessoas superiores que atingiram a consciência do EU, apenas obedecem à ética, mas as demais necessitam de Leis que controlem as ações do Ego. Políticos e dirigentes de qualquer tipo que gerem Leis, Estatutos, e normas de “proteção pessoal”, já definiram sua posição de Ego.

Também é bom lembrar que todos podem errar inclusive todos aqueles que pretendem ajudar pessoas. Muitos se equivocam no que pressupõem o que seria religiosidade, ou, no que supõem ser a melhor religião, e ainda politicamente no que poderia ser o melhor modo de viver, ou ainda, programa de partido como Sistema Organizado de forma arbitrária. A maioria obedece às fórmulas baseadas em padrões e valores sugeridos por terceiros, aprendidos e tidos como verdadeiros. Suas crenças religiosas e políticas constituem sua própria realidade, e sempre há quem queira que os demais, vivam na mesma realidade subjetiva que é a sua. Quando a realidade de alguém é objetiva, e como pessoa admite razões que se contraponham, e ainda admite ponderar nas abstrações que equilibrem as suas opiniões, então essa realidade pessoal é aceitável.

Os Erros Pessoais

Há pelo menos três categorias de erros:- 1- Por omissão, por deixar de fazer o que seria necessário e ou por procrastinar. 2- Por excesso, ou, exagero no fazer, e ou, no falar. 3- Por ofensas, injurias e prejuízos causados, sem intenção, ou, intencionalmente. Alguns erros são devidos ao caráter, e outros ao tipo de formação da personalidade. Políticos sociais, políticos religiosos, e religiosos políticos, em geral, são mestres em causar prejuízos a terceiros em benéfico pessoal, sendo que alguns são descarados no mal à faiar por temperamento não controlado, devido à ignorância ainda ser o maior desafio da humanidade.  

 Os erros relativos à ética e à moral.

 A ética tem a ver com o respeito ao próximo. Ou há respeito, ou, não há. Não é uma boa coisa assumir uma má atitude para depois dizer:- “estou brincando”, “não é bem assim”, ou, “Não sei de nada”. Este tipo de postura é criticado na Bíblia, no velho testamento, e visam dar um rumo às ações com seriedade, próprias de um Homem Maduro. A moral, ou, os comportamentos e os costumes aceitáveis em uma sociedade de congregados religiosos, ou ainda de adeptos de qualquer tipo de associação cultural, obedecem a conceitos arbitrários e relativos a uma Filosofia adaptada a uma cultura local.

A Religiosidade depende de sentimentos pessoais e sentimentos não se discutem nem se comparam. Religiosidade é um sentimento, e está relacionada ao que uma pessoa sente quanto à existência de uma Divindade. Não importam os nomes que a Divindade possa receber nas diferentes culturas. Todos os nomes são arbitrários e eles são dados a Alguém que todos desconhecem:- O Incognoscível, O Inescrutável, O Insondável.

 A Religião é um Sistema Organizado de forma arbitrária. Congrega pessoas que tendo religiosidade, aceitam determinadas normas e princípios elaborados por lideranças, e sempre esperam que haja uma ligação com uma Divindade através de um Culto. Os cultos e os seus rituais são produtos da mente das lideranças e também são atividades dirigidas de modo arbitrário, daí a variedade deles devida à criatividade.

A Política é um jogo de relacionamento social onde deveria predominar a ética e a moral quando os padrões de comportamento e os valores éticos são razoáveis. A política interfere em todos Os Sistemas Organizados de forma Arbitrária onde há uma hierarquia, e tentativa de condução, ou, dominação da massa humana, sejam de governo, ou, religião. Em ambos, governos e religiões, há regras definidas como Leis, ou, normas, princípios, dogmas e rituais que as caracterizem.

Às vezes há conflito entre esses poderes, ou melhor, entre líderes de diferentes facções e ou seitas. Os líderes visam algum tipo de poder e consequentemente algum tipo de retribuição moral como dignatários, ou, na maioria das vezes algum lucro material.

A Psicoreligiosidade

Observamos nas diferentes áreas dos diferentes Continentes que há diferentes grupos culturais. A psicoreligiosidade de cada grupo cultural depende do tipo de interpretação dada às habilidades psíquicas apresentadas por algum líder ancestral, ou atual, filósofo ou não. A interpretação a respeito do Poder demonstrado pelas Habilidades Psíquicas, apenas vai depender das razões lógicas e razoáveis apresentadas para explicá-las, razões essas desenvolvidas pelo intelecto de integrantes e dirigentes dos Sistemas Organizados a partir de alguma filosofia básica que suporte algum tipo de crença.

Uma inteligência, que valorize o que seja provável, pode estar livre de falsidades e hipocrisias.  

As habilidades psíquicas podem ser desenvolvidas naturalmente, com ou sem religiosidade, e com ou sem rituais em sistemas organizados. Quando há habilidades psíquicas desenvolvidas de modo natural, elas podem ser observadas com ou sem espiritualidade, apesar de algumas pessoas erroneamente associarem as mesmas como sendo uma “condição espiritual”, sem considerar que seja apenas uma condição mental.

A Espiritualidade se manifesta quando, o indivíduo por pensamentos, atitudes e ações, mostra que é criativo e construtivo, como qualidades da herança divina, e é honesto, puro, limpo e bom, como qualidades humanas desejáveis, independentemente das razões oferecidas como explicação para esse tipo de comportamento. Somem-se a isto as sugestões de Paulo em Filipensis 4: 8, as quais são passíveis de serem encontradas entre alguns políticos religiosos, dificilmente entre os políticos sociais.

As habilidades psíquicas desenvolvidas naturalmente independem de sexo e de sexualidade, se bem que a saúde e a disposição física como sinais de potencial de energia indicam mais possibilidades de ação psíquica. As habilidades psíquicas podem ser desenvolvidas por exercícios mentais adequados. Quando os exercícios são dados para grupos de indivíduos, deve-se observar a idade cronológica, pois o nível da Energia Vital a ser usada psiquicamente, pode decrescer com a idade avançada. As explicações teóricas relativas aos exercícios que desenvolvam habilidades psíquicas, só servem para indivíduos que tenham nível de intelecto que permita entendimento. Talvez 30% de uma população.

 A Propósito Das Razões Proferidas de Modo Geral

Uma Razão é o fruto de um pensamento lógico e no mínimo razoável. A estrutura de uma razão depende da perspectiva usada e do nível de informação existente no cérebro de quem a elabora. Mudando-se o nível das informações e a perspectiva usada, mudamos o arrazoado, o entendimento, a compreensão, e conseqüentemente, o rumo da percepção. A conscientização final sempre depende do tipo de compreensão e do nível de percepção que foi conseguido pelo leitor, ou, ouvinte.

 Assim sendo, sempre haverá a possibilidade de as pessoas armarem pensamentos lógicos e até razoáveis com diferentes níveis de informação e de entendimento, através de diferentes perspectivas, portanto, proporcionando diferentes níveis de compreensão. Sempre haverá as razões que se oponham as primeiras e com diferentes níveis de razoabilidade em cada uma delas. Duas razões que se oponham admitem umas terceiras razões como abstração.

Assim sendo, todos sempre têm uma razão a apresentar, e todos os discursadores sempre acreditam que têm a melhor razão, sendo que nem sempre há concordância nas razões apresentadas por diferirem os níveis de consciência entre dois ou mais indivíduos.

 Pelo menos os 70% de uma população desconhece o que seja uma razão lógica que seja razoável e provável, daí os políticos sociais e religiosos usarem sugestões, promessas, fantasias e suposições como razões lógicas até razoáveis, se bem que pouco ou nada prováveis sempre baseadas em pressuposições, usadas para exercer o poder mental sobre adeptos de religiões e partidos políticos, onde os indivíduos são mantidos como sujeitos e contribuintes. Diante disso só “a eficácia é a medida da verdade”.

Das Discussões e Discordâncias.

Discussões que partam de diferentes pontos de vista, ou, perspectivas, apenas servem para mostrar os diferentes caminhos da lógica, e a quantidade de possibilidades de perspectivas e de compreensão. O que resolve mesmo é avaliar a razoabilidade e a possibilidade de ser provado objetivamente o que está sendo arrazoado.

O que for improvável, ou, pouco provável, tem valor relativo, oferecendo apenas a oportunidade de um exercício de lógica para tentar definir os fatos e suas conseqüências, pois só causam mais confusão e discussão. Por essa razão sempre é melhor desenvolver pensamento que seja direto, concreto, objetivo e pragmático (KANE).

  Todos sempre têm uma razão, seja ela apresentada como um juízo perfeito, ou imperfeito, como pode ser qualquer hipótese apresentada para justificativa de um fato. Mas é a eficácia nos resultados objetivos decorrentes de uma experiência, que determina a verdade que pode ser explicada por uma uma razão que expresse um juízo perfeito por ser provado, determinando a paz e a harmonia decorrentes do entendimento teórico.

“A eficácia é a medida da verdade”, ou melhor, “se é eficaz, é verdadeiro”. Se a filosofia, seja ela religiosa ou de política social, é proposta e é apresentada com razões que não são postas em ação, e se postas em ação não funcionam nem objetivamente e nem subjetivamente, para que perder nosso tempo?

Avaliem os sermões e os discursos repetitivos. Avaliem a eficácia dos slogans e os chavões políticos sociais, religiosos, e de grupos que versam a respeito de assuntos místicos, e que não admitem questionamentos, nem ações que resultem fatos que provam o contrário do que pensam e defendem com pressuposições.

Razões em contrário a qualquer tentativa de produzir algo novo, ou, diferente, sejam críticas ou obstáculos aparentes, ou ainda, supostamente inaparentes, sempre irão existir, pois basta mudar a perspectiva usada e o entendimento estará mudado.

O mais difícil de mudar é a conduta humana, quando falta ética e moral para que haja flexibilidade. Há quem pregue: “seja flexível”, mas permanece rígido em suas pressuposições e ações. Há quem pregue “vamos todos juntos, fluindo como a água, na mesma direção”, desde que seja no rumo que o dirigente atual queira.

As Leis Limitantes, muito a gosto de políticos sociais e políticos místicos religiosos são tão inócuas e vazias, como são as Crenças Limitantes que as determinem.

O problema em uma democracia é a existência de legisladores vazios de princípios aceitáveis, mas aceitos pela maioria mal informada, ou desinformada, que compõe o estado democrático de direito.

Outro problema são as regras de qualquer tipo de eleição ou escolha, que permitem a eleição de pessoas que não representem a vontade de uma parte da população que seja informada, inteligente e consciente, e que infelizmente é apenas 25% de qualquer povo.

Uma Democracia só funciona em uma sociedade Convertida em seus Padrões de Comportamento e Valores Psicológicos da categoria da Ética.

A Democracia atual é uma Utopia programada para que os povos sejam dominados pelos “Iluminados” que compram seus supostos representantes. Há Iluminados do bem e há Iluminados do mal em toda parte. A questão é discerni-los antes que suas ações os denunciem abertamente.

 Iluminado significa “esclarecido”. Seriam 1%? Seriam 5%? O fato é que As Trevas dominam no mínimo 70% de uma cultura qualquer.

Alberto Barbosa Pinto Dias, Bacharel em História Natural (todas as Disciplinas Biológicas e Geológicas), Licenciado, Especialista. USP, 1955.

Postado em : A Propósito de Concordâncias e Discordâncias

1 Comentário


    • Eliane de Mendonça Vieira
    • agosto 29, 2015
    • Responder
    • Cancelar resposta

    Namastê

Deixe sua mensagem

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

.