Como Racionalizar Espiritualidade

Como Racionalizar Espiritualidade

 Como racionalizar Espiritualidade

Somos uma Consciência que pode dispor de um cérebro, quando usamos focalização adequada através da Mente, e resulta em desenvolvimento mental e psíquico.

O desenvolvimento Mental, em primeira fase, exige colheita de dados e informações, e em segunda fase, introspecção com ordenação das ideias e pensamentos resultantes.

Da ordenação resulta que podemos comparar com ideias e pensamentos registrados anteriormente e então podemos fazer análises.

Das análises resultam questionamentos, cuja solução pode vir por insights, ou clarões de introspecção, imagens que procedem do subconsciente, do próprio, ou, do inconsciente coletivo, por sintonia com outros cérebros, e a isso denominamos intuições, ou, outros tipos de percepção conhecidos como telepatia, vidência e ou clarividência, uma questão de clareza e precisão na percepção de dados e informações via subjetiva.

Isso resulta em idéias, pensamentos que podem ser diretos, concretos, objetivos, criativos e construtivos, ou, destrutivos.

Por dom natural, ou, como resultado de treinamentos, por enfoque mental adequado, nossa Consciência pode projetar uma forma de energia, que obedecendo nossa intenção, se converte em uma força aplicada e pode produzir efeitos objetivos e ou subjetivos.

Este tipo de ação caracteriza um desenvolvimento psíquico, que resulta em ações conhecidas como habilidades psíquicas. As mais comuns são ajuda a que plantas animais e pessoas se curem, ou, melhorem suas condições de vida. As menos comuns são influências sobre as forças da natureza, como fazer vir o vento, que pode trazer nuvens, e fazer cair a chuva. Pode ser parar o vento e fazer amainar uma tempestade.

Esses fenômenos Mentais, que têm origem em uma Consciência, e que podem ser bem intencionados, ou, mal intencionados, sempre foram denominados de origem espiritual, positiva e ou negativa.

A palavra espírito era utilizada antigamente como sinônimo de energia, pois a palavra energia tem aproximadamente 400 anos, e significa “capacidade de produzir trabalho, como movimento e ou deformação”. Daí o uso da palavra espiritual nesse sentido.

Em seu desenvolvimento mental e psíquico o Homem pode se tornar Justo e Reto, cultivando o usa da Verdade, e desenvolvendo o Bom Senso, ou, ao contrário, pode se tornar injusto, hipócrita, e cultivar a mentira, apresentando falta de bom senso.

Assim sendo, se quisermos nos tornar espiritualizados no bom sentido, temos que entender que há a possibilidade de Uma Consciência Intencionar ser Criativa e Construtiva, como se supõe que a Divindade seja, e de ser honesta pura limpa boa e positiva para com seus semelhantes, manifestando sempre o bom senso, que resulta no respeito à Divindade e o respeito aos demais de modo evidente.

O respeito à Divindade pode se caracterizar por entender que “nem só de pão vive o homem…”; o respeito aos semelhantes está em entender que “se subir ao Pináculo do Templo, mantenha o bom senso”, e de “não se curvar às tentações inerentes a algum tipo de Poder sobre uma ou mais cidades sobre a Terra”.

Uma Consciência Destrutiva, desonesta, que desrespeita o semelhante, que é má, prejudica os demais, ofende e injuria, e se autodestrói, física e mentalmente, perde a capacidade de discernimento, e não tem bom senso.

Alberto Barbosa Pinto Dias, Bacharel em História Natural (todas as Disciplinas Biológicas e Geológicas), Licenciado, Especialista. USP, 1955.

Postado em : A propósito de

Deixe sua mensagem

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

.