Caminhos da Psicologia – 3

Caminhos da Psicologia – 3

Caminhos da Psicologia – 3

Reforçando – Na Polinésia, os sobreviventes do cataclismo também denominado dilúvio, foram dispersos pelas ilhas devido o afundamento do Continente Lemuria, mas eles mantinham os conhecimentos a respeito de habilidades psíquicas, como Tradição Oral. Esta foi mais bem estudada no Havaí por Max Freedon Long, psicólogo e ex-pastor batista. Ele iniciou os estudos associado a um médico que o antecedeu nesse assunto, Dr. Otto Wing, o qual publicou Cartas da Huna. Depois, em 1937, Max Long publicou o Livro “Milagres da Ciência Secreta”. É bom que leiam o que o psicólogo, ex-pastor batista, escreveu como esclarecimento a respeito da Huna, o código de ação dos magos havaianos (Kahunas).

Os procedimentos dos Kahunas, Ka=Alma Huna=Segredo, ou seja, o segredo guardado pela Alma coincidem com os procedimentos dos africanos que falam Yorubá, e desenvolvem ainda hoje ações psíquicas com a psicoreligiosidade de um núcleo humano na África. Os rótulos podem ser diferentes, mas na essência os procedimentos psíquicos são os mesmos, inclusive na Índia bem sofisticado e cheio de nomes complicados como na Yoga. No Oriente Médio como Sufi, na Kabala e no Tarô que acompanhou Moises e o povo de adoradores de Isis, de Ra e de El no Êxodo (Isis, Ra, El = Israel).

Dá para perceber que esse conhecimento a respeito das habilidades psíquicas se difundiu de algum modo, antes e após o dilúvio, sofrendo alterações de rótulos, sendo associado às explicações que envolviam pressuposições básicas ligadas à Espiritualidade, e ou à Religiosidade.

Assim sendo, depois que Freud desenvolveu a psicanálise de modo metodológico, Young mais voltado à espiritualidade pode ter inspirado o Humanismo e os Humanistas que o sucederam, apenas redescobrindo dentro de uma disciplina denominada psicologia, o que ficou oculto a respeito das ações psíquicas na Europa durante o obscurantismo religioso.

Tudo sempre começa no mundo fenomênico com as habilidades psíquicas com resultados objetivos, depois passam a ser consideradas as hipóteses quanto às suas causas e ou origens. As hipóteses ou suposições iniciais, que obedeçam à lógica e à razoabilidade filosóficas, passam a ser pressuposições básicas quando são tornadas Crenças, isto é, acreditadas como verdades mesmo sem comprovação. As Crenças passam a ser a base das normas, princípios, dogmas e rituais religiosos, que são a característica de cada uma das diferentes religiões.

Assim sendo, as Suposições básicas, ou Crenças, ao se tornarem Filosofias pelo acúmulo de considerações abstratas, bifurcaram em duas linhas de pensamento em todas as culturas. Uma linha teórica filosófica que por vezes acabou por se tornar em Sistemas Organizados como Religiões Teóricas e sem práticas psíquicas, e outra linha mais prática nas ações psíquicas que passaram a serem Disciplinas, e foram as que usavam exercícios para desenvolvimento psíquico com ou sem religiosidade.

Na Grécia antiga, a.C., se mencionava o caminho filosófico, ou então o caminho religioso para desenvolvimento mental e psíquico, e respeitavam as pessoas sensitivas naturais que funcionavam como oráculos, bem como os profetas. A mesma indicação se encontra nos Arcanos Menores do Tarô (de Moisés) do judaísmo. Da Huna resultou o Tao na Ásia. Na África em Umbanda e o Candomblé, no Oriente Médio o Sufismo, na Índia O Hinduísmo (4.000 a. C.) como Religião, e a Yoga como prática para desenvolvimento do psiquismo com espiritualidade associados à religiosidade. O Budismo em 600 a.C, como filosofia, e depois religião.

Seiscentos anos depois de Sidarta Gautama, temos os relatos dos grandes feitos, mais do que uma biografia, com todas as referências ao Senhor Jesus nos Evangelhos, como Mestre em Habilidades Psíquicas, então rotuladas de milagres, e pregando uma filosofia de vida que evidentemente visava reformular o Judaísmo.

Curiosamente não há referências nos Evangelhos, a respeito do que se passou na vida do senhor Jesus do período que vai entre os 12 anos e os 30 anos de idade.

 O Senhor Jesus, como homem, deixou claro que toda ofensa ou prejuízo causado, e toda má palavra proferida contra os Evangelhos e as pessoas que o pregam, é passível de perdão, mas as ofensas ao Espírito Santo de Deus não tem perdão. Ele deixou clara sua natureza humana, mas também deixou claro, que como homem, sua Consciência Individual estava ligada com a Consciência de Deus, e assim foi esclarecida. Cristo, do grego, significa o Iluminado.

Como Consciências, estamos todos interligados, podendo ou não estar em sintonia com a Consciência do Altíssimo, que esclarece a Consciência dos Homens. Nisso está à salvação da Alma, como tendo relativa eternidade, devido à perpetuação relativa da Alma, que é a palavra que indica a qualidade do Conteúdo informático de uma Consciência. “Elias já voltou e não o reconheceram…”, J. C. pressupõe uma possibilidade de continuidade às Almas Integradas com Integridade (salvas). “Meu Reino não é deste Mundo”, pressupõe que O Poder vem de outro Mundo (Dimensão) quando necessário, e se o Homem for bem intencionado.

Em um dado momento o Rabi Jesus, como homem, perdeu a paciência e agrediu os vendilhões do templo, prepostos do Sinédrio, e passou a doutrinar que as pessoas “deveriam orar em secreto ao Pai”, pois a oração seria mais eficiente sem os intermediários do Templo. Os sacerdotes reagiram e deu no que deu. Isso faz lembrar a atitude de Salomão (?) em Eclesiastes Capítulo Cinco: versos de 1 a 3, mas ele era Rei na realidade objetiva, e era intocável pelos sacerdotes que tiveram que engolir em seco.

Sempre há uma Alma que mostra um trabalho psíquico e prega uma filosofia de vida. Depois a Alma se vai e fica a filosofia que se converte em base de um ou mais Sistemas Organizados de forma arbitrária como religião.

Em 256 d.C. O Imperador Constantino mandou organizar os livros do Velho Testamento, mais os Evangelhos do Senhor Jesus segundo os Evangelistas, mais as escrituras filosóficas do Apóstolo Paulo e de outros, e com esses fundamentos criou um Sistema Organizado como Religião Cristã. Agradava a amada esposa que era cristã e ao mesmo tempo dispunha de um mecanismo psicológico para unir os integrantes de seu exército, os quais procediam de diferentes culturas e de diferentes psicoreligiosidades, originando disputas.

Nesses fundamentos desenvolveu-se o Cristianismo Filosófico e práticas religiosas, com religiosidade, mas sem desenvolvimento de práticas psíquicas. Criou-se um Sistema organizado com uma hierarquia, e para seu sustento, mantiveram o dízimo do sistema judaico e as ofertas alçadas a cada ritual de adoração à Divindade Incognoscível, O Altíssimo, como Consciência Superior a tudo e a todos.

Cada um de nós é uma Consciência, um micro bolha de Consciência em relação à Macro Bolha de Consciência Cósmica.

Curiosamente pessoas que tendo uma Consciência micro bolha, e que às vezes não tem condição de alcançar o nível de Consciência de um seu semelhante, pretendem falar a respeito do Macro Bolha, O Incognoscível, Inescrutável e Insondável. Falam a respeito do que todos desconhecem.

Com o passar do tempo, os gastos com as aparências levaram os religiosos do Sistema Organizado como religião, a vender as Indulgências do Sumo Pontífice, e mais tarde a nefasta Inquisição com a evidente finalidade de tomar as posses imóveis e as riquezas dos não cristãos, que foram perseguidos e mortos em nome de Deus por décadas.

Reforçando: – Em sua época, Constantino usou o cristianismo para unir seu exército, onde havia pessoas de várias origens e religiões com muitas disputas. Depois motivados sob a bandeira do cristianismo e evitando discórdias religiosas entre os seus comandados foi mais eficiente em seus propósitos guerreiros, daí para frente às guerras em nome de Deus.

Trezentos e cinqüenta anos depois de Constantino, em 600 d.C. Maomé o imitou, editando o Alcorão e unindo seu povo, antes nômade e disperso, em nome da Fé em Alá, e depois, até agora, adepto e submisso ao Alcorão, e sob a bandeira do Islã. Como resposta a algumas incursões guerreiras de cristãos no Oriente em nome de Deus, um exército, organizado sob a bandeira do Islã, e em nome de Alá, invadiu a Europa em 730 d. C. e o Sul da Itália, da Espanha e os Bálcãs foram dominados por 700 anos. Alá vem de A LA = A Luz, ou, o que dá entendimento. O esclarecimento é o único antídoto para a Ignorância, o maior desafio da Humanidade.

Na idade média, 90% dos cristãos e muçulmanos, relativamente ignorantes, que cultivam uma cultura restrita, foi massa de manobras dos políticos religiosos e dos religiosos políticos, pois o homem é de natureza política, e até hoje há os políticos sociais e os políticos religiosos que movem os religiosos políticos. Era assim depois de 256 d.C. e continua sendo assim na atualidade. Hoje em dia a massa de manobra está em torno de 70% dos habitantes de qualquer cultura.

Em contraposição os ateus políticos movem as massas contra as nações religiosas, ou, entre concidadãos. Uns meios termos, para ganhar a simpatia e os votos de adesão dos religiosos desprovidos de quase tudo, estão os que se denominam Socialistas. De qualquer modo, a sugestão e as promessas são os meios de dominação e poder sobre as massas que ignoram os meios e os processos, que nos finalmente, resultam em “me dá o dinheiro aí” como “doação”, e ou impostos pela obediência civil, ou, pela força bruta.

A maneira de ação dos ateus sejam eles comunistas ou disfarçados de socialistas, “Primeiro tiram uma flor de seu jardim, depois pisam em seus canteiros, depois tomam sua propriedade, depois o expulsam, matam, ou, escravizam”. Assim volta a ser tudo como era antes das civilizações, quando o que valia era algum tipo de força física. A solução estaria em reviver a força mental que predominou antes e depois do dilúvio, e evidente na cultura do Havaí, antes que as culturas do consumismo, do fumo, do álcool e das drogas que os Norte Americanos lá introduziram, predominassem.

Na época os muçulmanos permaneceram na Europa até ao redor de 1.250, deixando inúmeros descendentes mouros nessas áreas, cujo DNA persiste até os dias de hoje em todo tipo de cruzamentos entre humanos, bem como parte de sua grande civilização e conhecimentos desde a matemática até as artes. Entre Muçulmanos há extrema exigência de moral e ética própria do Islã, e obediência ao Korão, e apesar de fanáticos (fé + convicção associada à ignorância) são coesos. Como são prolíficos, logo os estados democráticos sentirão o peso dos votos.

O obscurantismo religioso dominava a Europa cristã na Idade Média, enquanto isso no Oriente havia liberdade de pensamento, e os fenômenos psíquicos eram desenvolvidos pelas diferentes práticas das diferentes disciplinas, com ou sem religiosidade.

As práticas envolviam respiração rítmica, e posturas físicas, com ou sem atividade, que geravam automatismos, e conseqüentemente Estados Alterados de Consciência, característicos da integração Consciente-Subconsciente, e alguns fenômenos psíquicos notáveis. Atualmente na Índia há mais pessoas com QI 140 do que toda população dos EEUU, pois isso sucede com quem pratica introspecção com exercícios de reflexão, com ordenação de idéias e pensamentos, favorecendo a análise e os questionamentos. Os questionamentos estimulam os processos de Intuição Heurística, bem como favorecem a captação de informações que procedem de outros cérebros de modo subjetivo.

Na Europa e no Ocidente, depois da Renascença, houve uma diminuição do poder político da igreja católica com o desenvolvimento da burguesia, da classe média, do capitalismo já existente na Holanda e na Bélgica, depois na Inglaterra Anglicana com os Rostchild no Banco da Inglaterra a partir de 1232. O Capital do Consórcio de Banqueiros Europeus comandados pela família Rostchild, com os seus braços Norte Americanos, e seus comandados com esquema semelhante ao do Vaticano, suplantou o poder da Igreja que era mantido pelo temor ao Incognoscível.

A Revolução Industrial, com bases objetivas, tomou conta do panorama financeiro fazendo crescer a classe operária e os sindicatos, e a igreja Mãe aderiu ao Capitalismo com o Banco do Vaticano, agora célebre por suas relações oficiais e não oficiais (Máfia). O saldo positivo da inversão de poderes foi à relativa liberdade de pensamento e de ação existente na classe média, que hoje está sendo aos poucos sufocada pelo falso socialismo.

Assim sendo, já no século XIX, os psíquicos naturais tiveram sossego, e os médicos formados da época passaram a ter interesse em Hipnose, seu estudo e seus efeitos, por serem comparados aos Estados Alterados de Consciência dos psíquicos naturais, ou, induzidos. Alberto Barbosa Pinto Dias, Especialista, USP, 1955.

apresentacao

Postado em : Caminhos da Psicologia

Deixe sua mensagem

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

.