Caminhos da Psicologia – 2

Caminhos da Psicologia – 2

Os caminhos da psicologia – 2

Os pais polinésios e havaianos, que conheciam a magia, estimulavam seus filhos mais jovens e sensíveis a começar o treinamento com quatro anos de idade. Hoje sabemos que dos quatro anos de idade aos sete, é quando as crianças apresentam um potencial eletroquímico elevado e de modo natural no cérebro, de até 380 micro-volts. Também hoje em dia podemos perceber que o procedimento dos antigos se enquadra dentro dos conceitos do Comportamentalismo, emitidos no final do Século XIX e início do Século XX por Watson, baseado em Pavlov, depois Toleman que dá importância à intenção, e Skinner e as conseqüências do Condutismo. Estes estavam redescobrindo e rotulando, depois da era de obscurantismo religioso, algo já conhecido e praticado há mais do que 11.000 anos passados, e que na Europa havia sido sufocado pela “Santa Inquisição”. Sabemos que as crianças dos quatro aos sete anos de idade, vivem em estado de hipnose, segundo os conceitos da medicina moderna a esse respeito. Em estado de hipnose natural, ou, podemos dizer de alta sugestibilidade. Assim qualquer criança apresenta facilidade de programação, ou, reprogramação cerebral. Essa condição é natural nas crianças dessa idade mesmo estando acordadas e conscientes. É por essa razão que determinadas religiões exigem a confirmação da fé aos sete anos de idade. Os adultos “entram” nesse estado de consciência, para o adulto denominado “alterado”, quando há forte sentimento ou emoção. Naquela época as crianças deveriam aprender algum procedimento onde movimentos repetitivos resultassem em reflexos condicionados e automatismos, associados, ou não, a ritmos e pronunciamentos de palavras ritualísticas. Esse procedimento faria associação do Estado Neurológico, em que há a predominância natural de ondas Tetha, e alto potencial eletroquímico próprio da idade, com o ritual, de tal modo que no futuro, com mais idade, quando a pulsação elétrica do cérebro é maior e o potencial eletroquímico menor, o ritual estabelecido na infância faz voltar o Estado Alterado de Consciência em que o potencial eletroquímico é maior. As habilidades psíquicas eficientes dependem desse “Estado Alterado de Consciência” no adulto, mas que é natural na criança. “Deixem vir a mim as criancinhas, porque delas é o reino dos céus”, deixa claro que o Senhor Jesus, como “Sumo Sacerdote da Ordem de Melquisedeque”, sabia dessa condição. Fica mais claro ainda se considerarmos que o Senhor Jesus ensinava aos adultos que “o Reino dos Céus está dentro de vós”, alcançável pela introspecção profunda. Em seu tempo ensinava a introspecção mediante o ensinamento de “vivei em oração”, e “ore pelos vossos inimigos”, como fórmula de apascentar o estado de espírito e encontrar a paz profunda, que dá estabilidade de pulsação cerebral e alta energia em níveis de introspecção profunda. Naturalmente o adulto que já foi condicionado em criança, mediante um ritual programado no cérebro infantil, volta imediatamente a esse estado de hipnose auto-induzida ao repetir o ritual. Sempre é bom lembrar que quem sabe entrar em auto-hipnose pode controlar a dor e fazer outros tipos de controle Fisiológico sobre os automatismos reflexos do corpo, como na Tantra Yoga, como abrir e fechar a Iris por vontade própria, controlar os batimentos cardíacos, vaso constrição e vaso dilatação, etc. como canalizar energia por enfoque mental. Enquanto que entre os Polinésios a coisa acontecia naturalmente, por tradição oral, no Egito, supostamente a partir de 6.000 a.C. esse assunto passou a ser sistematizado, conforme podemos saber através dos estudos feitos nos hieróglifos que há nas construções egípcias. Eles selecionavam crianças e as programavam com rituais e exercícios mentais a partir de quatro anos. Lembremos que o Senhor Jesus, quando menino, viveu no Egito desde bebê até os 12 anos de idade, com tempo suficiente para aprender muita coisa, que depois assombrou aos doutores da Lei, por ocasião de seu Bar-Mitzvá, quando voltou à Jerusalém com seus pais. Aconselho a que o leitor tome conhecimento do que se sabe a respeito de Inhotep, sábio egípcio que viveu em 2.800 a. C. e foi o instrutor da construção e utilização da Pirâmide de Sacara (Saquara), à disposição no YOUTUBE. (Youtube – O Olho de Horus). Hoje em dia há vários processos através dos quais os adultos são induzidos a estados alterados de consciência, com rituais que levam à hipnose, e em que o indivíduo está inconsciente do tipo de programação cerebral que recebe em alto grau de sugestibilidade. Todo procedimento repetitivo, mesmo que com intervalos de sete dias, ou, a cada 10 minutos como as propagandas feitas pela TV nos intervalos de novelas, que mantenham o “estado Emocional”, são eficientes em longo ou curto prazo. O correto, honesto puro limpo e bom, é ensinar a pessoa adulta a entrar em estados de auto-hipnose sempre conscientes, de tal modo que as programações cerebrais ou reprogramações sejam feitas por Ato Moral Consciente, tornando-as permanentes, com o cérebro funcionando como se tivessem apenas seis anos de idade em termos de potencial eletro-químico, mas mantendo o raciocínio lógico, razoável e analítico do adulto. (Dias) É curioso o fato de que algumas raízes de palavras, ou mesmo palavras, relativas ao fenômeno de Magia, são encontradas em diferentes culturas, mesmo que elas sejam distantes. Por exemplo, KA, referindo-se à Alma, como qualidade de uma Consciência, e Mila, ou Milu, ambas, na África como no Havaí, referem-se a um conteúdo que está escondido em algum lugar da cabeça, relacionado com o “Reino dos Céus”, onde viviam as fadas, os duendes e os deuses, e naturalmente os mortos como lembranças imaginadas. A Imaginação criativa, ou conhecimento de uma realidade, de que um “extra” de energia pode estar efetivamente disponível, era denominada Mana no Havaí, e Manah entre Hebreus. Mana-Mana entre havaianos ligados à magia significa energia em dobro, e Mana-Loa, uma forma de energia que sendo mobilizada por enfoque mental adequado atua à distância. Sempre é bom lembrar que todos saíram do Egito, e que Moisés, filho adotivo de uma princesa, freqüentou as Escolas de Mistério, onde aprendeu Magia. Assim sendo, podemos supor que depois do “dilúvio”, e da “Arca”, que transportava sábios da Atlântida, pousar no Monte Ararat, desenvolveu-se a civilização Egípcia, como Sistema Organizado com registros a partir de 6.000 a. C.. Resultou nas Escolas de Mistério, onde davam ênfase ao desenvolvimento de Habilidades Psíquicas. Os egípcios recrutavam crianças espertas a partir de quatro anos e as levavam ao Templo para instrução que se tornava efetiva e funcional antes dos sete anos. As mais espertas e sensíveis eram escolhidas aos 12 anos, e sendo mais preparadas, iriam se tornar Sacerdotes depois dos 14 anos de idade. Depois, segundo o Livro de Hebreus, o Senhor Jesus aos 30 anos era o Sumo Sacerdote da Ordem de Melquisedeque (Hebreus capítulos 5, 6, e 7 ). Melquisedeque foi rei (cigano) de Salem, localidade próxima a Nazareth, isso nos idos de 2.700 a. C.. Melquisedeque deixou discípulos que devem ter constituído uma Ordem, um sistema organizado para preservação dos conhecimentos do seu Mestre, o que dá sentido lógico às Escrituras Sagradas. Melquisedeque era um Mago contemporâneo de Inhotep, e este último era um sábio egípcio que viveu em 2.800 a. C. e pregava como base que Deus é Amor constituindo um “Campo Cósmico de Energia Criativa e Construtiva”. Inhotep também afirmava que em oposição ao Amor está o Medo e todos os seus variáveis como a inveja e o ciúme e todas as suas consequências. Geralmente os invejosos fazem gozação, depois críticas, depois crítica acerba e finalmente perseguem o objeto de sua inveja. O Senhor Jesus, Sumo Sacerdote da Ordem de Melquisedeque, apresentou dois níveis de doutrina, uma ao vulgo com as parábolas e o Sermão da Montanha, e outro nível de doutrina em reservado a seus discípulos, quando alguns deles, mas não todos, foram “iluminados” e passaram a fazer curas e… “expulsar demônios”, etc. Não encontramos esta doutrina reservada por escrito, pois ou não escreveram, ou, se escreveram não foi colocada nos livros Canônicos, mas apenas mencionada nos Evangelhos. O Senhor Jesus deixou claro em João 14: 12 que qualquer pessoa que crer em seus ensinamentos pode fazer o mesmo que Ele. Pode aprender a desenvolver Habilidades Psíquicas, o que está de acordo com o Salmo 82:6, que afirma que “Todos são filhos do Altíssimo“ como Ele. Os Evangélicos continuam usando como fundamento cópias da Bíblia Canônica, Vulgata Latina, traduzida por um padre autorizado pelo Vaticano, e prevalece o aspecto do “mistério” entre os que são crentes no mistério. Um fato curioso. Estava dando treinamento no Colégio Rio Branco, em São Paulo. Estabeleci um raciocínio para esclarecer um aspecto que é considerado mistério pelas igrejas cristãs em geral, o aspecto denominado Espírito Santo. No intervalo um senhor me procurou e me disse que um Monsenhor queria falar comigo em reservado. Acedi e ele, o Monsenhor da I. Católica me perguntou aonde eu havia aprendido isso. Respondi que foi pura dedução intuitiva. Então, eu perguntei:- por qual razão V.S. me perguntou isso? Ele respondeu que os padres mais intelectuais e dedicados, depois de 25 anos de ministério, recebiam como prêmio uma viagem de estudos ao Vaticano, quando então eram instruídos com assuntos mais reservados, incluindo aquilo que eu havia revelado ao público. Posso supor que haja mais coisas a serem reveladas, como as doutrinas dadas em reservado pelo Senhor Jesus aos discípulos. Alberto B. P. Dias, Bacharel, Licenciado, Especialista, USP, 1955.

apresentacao

Postado em : Caminhos da Psicologia

Deixe sua mensagem

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

.