Aos líderes religiosos

Aos líderes religiosos

Aos Líderes Religiosos

“Deus é Espírito e importa que os que o adoram o adorem em Espírito e Verdade”. – Espírito é sinônimo de Energia palavra essa que tem apenas 400 anos – Deus é um Campo de Energia Consciente de altíssima frequência vibratória que abrange o Universo.

Esse Campo de Energia, Deus, é Inteligente e exerce Vontade, ou, ação com Intenção. Então Deus, é uma Consciência, com três aspectos, é Trino, e devem ser Três Campos de Energia Integrados.

“Façamos o Homem à nossa Imagem e semelhança” (do Gênesis), portanto, o Homem basicamente é uma Consciência, que possui uma microbolha da Consciência de Deus, portanto o Homem, quando integrado em seus três aspectos da Consciência com integridade, tem o poder que vem de dentro. “A ele seja dado poder sobre todas as criaturas da face da Terra”.

O Homem apresenta uma Consciência com três aspectos, três campos de energia conhecidos desde há mais do que 11.000 anos como: uhane unihipili e aumakua, ou, Eu Médio, Eu Básico, Eu Superior. Essa colocação é encontrada na tradição oral da Huna, um código de comportamento dos Magos, havido na Polinésia e constatado e estudado no Havaí, por Max Freedon Long, psicólogo, pastor Batista no Havaí, que escreveu um livro a respeito, os “Milagres da Ciência Secreta” de boa leitura. Na Psicologia os Três Aspectos são denominados de Consciente, Subconsciente e Superconsciente.

Salmo 82: 6. ”Eu disse vós sois deuses, e vós outros são todos filhos do Altíssimo”. – É possível deduzir que todos são filhos do Altíssimo, e que alguns deles são como pequenos deuses, ou seja, humanos que apresentam o Poder que vem de dentro deles. O verso sete diz que todos como Homens morrerão, mas permanece a Consciência/Alma como conteúdo informático e de conhecimento de uma Consciência, bem como capacidade de ação.

A impressão é a de que o conteúdo pode ser aproveitado outra vez e ainda evoluir. “Elias já voltou e não o reconheceram, e fizeram dele o que quiseram”. (palavras de Jesus).

Resta ainda saber o que são pequenos deuses. Segundo conceito havido na antiguidade, pequenos deuses são Homens que tem a capacidade de mover uma forma de energia (substância) que aplicada se torna uma força capaz de produzir efeitos objetivos e subjetivos. Modernamente dizemos que o fazem quando a Consciência é capaz de uma focalização mental adequada, movendo Energia Quântica.

O Senhor Jesus confirma a validade do Salmo 82: verso 6, em João 10: 34 até 38. (Palavras de Jesus). Porque isso é possível? A resposta pode estar na 1ª Epístola da Paulo aos de Corinto capítulo 3, verso 16:- “Não sabeis vós que sois santuário de Deus e que o Espírito de deus habita em vós?”, e no capítulo 6, verso 19:- “Ou não sabeis que o vosso corpo é santuário do espírito Santo, que habita em vós, o qual possuís da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos?”

Uma vez lidos os versos citados acima, é preciso entender que o Eu Superior (Aumakua), conhecido hoje como Superconsciente, ou, Eu Mais Profundo na Psicologia Moderna, era denominado na antiguidade como Espírito Paternal, Espírito Protetor, ou, O Pai nos tempos do Senhor Jesus, daí as expressões: ”O Pai que em mim opera as obras” e “Quem vê a mim vê ao Pai”.

O Superconsciente é a microbolha de Herança Divina que temos como um centro de Consciência e energia, que é centuplicada quando o Ego está em sintonia com o Espírito Santo de Deus. A busca dessa condição é indicada pelo Senhor Jesus quando diz: ”Eu vou para o meu Pai e vos deixo o Paracleto”. Ele poderia estar dizendo: – Agora me deixem em paz já que podeis contar com o Espírito Santo de Deus de modo Consciente conforme foram instruídos.
O Superconsciente é o aspecto da Consciência que permite sintonia com o Espírito Santo de Deus, que vive dentro de nós, no reino dos céus, conforme expressão do Senhor Jesus. “Ora não direis vós que o reino dos céus está aqui ou ali, pois o reino dos céus está dentro de vós”. Difícil de entender?

Então, como saber o que é o reino dos céus dentro de nós? Temos uma ajuda ao estudar a espiritualidade dos descendentes de africanos de língua Iorubá. Dentre eles o reino dos céus é definido desde a mais remota antiguidade como: “um lugar dentro da cabeça onde vivem os mortos, as fadas, os duendes e os mitos”. Sem espanto, é onde vivem os mortos na imaginação como memória, e as fadas os duendes e os mitos na imaginação criativa, como fantasia ou não.

A imaginação é o único instrumento mental que nossa Consciência tem para resolver problemas, para receber e perceber o significado de informações inclusive as recebidas de outros cérebros como imagens, para projetar energia com imagens para resolver problemas de saúde percebidos e outros. Isso permite entender o que o senhor Jesus queria dizer quando pronunciou: “Não percais tempo em vãs repetições, e se nada mais souberdes, antes orai: Pai nosso que estais nos céus…”. O Pai nosso merece decodificação à parte.

Decodificando o Pai Nosso.
“Pai nosso que estais no Céu” (dentro da cabeça no centro de imaginação)
“Santificado seja o Vosso Nome” (que sempre haja o maior respeito à Divindade).
“Vem a nós o Vosso Reino” (venha a nós o vosso Poder)
“Seja feita a Vossa Vontade assim na Terra como é nos céus” ( que aquilo que for conjuntamente elaborado “nos céus”, dentro de nós, em introspecção profunda, aconteça na Terra).
Depois segue uma parte que está ligada à materialidade, mais simples de entender.
É descoberta da Ciência denominada neurologia que, quando intelectualizamos e proferimos palavras, o cérebro como um Todo tem um potencial de 50 micro volts (Mana). Quando focalizamos imagens o potencial é de 100 micro volts (Mana – Mana).

Quando focalizamos imagens concentrados em introspecção profunda o potencial pode ser de 380 até 2.500 micro volts (Mana-Loa), e é quando a Consciência através da imaginação produz movimento, alteração da matéria, ou um “colapso de estado” na energia de um cérebro, por exemplo.

Nossa Consciência é não local, ela pode estar em mais do que um lugar ao mesmo tempo, e se desejarmos e soubermos como fazer, nossa presença é sentida, ou mesmo vista por alguns mais sensíveis.

Tudo o que foi mencionado até agora explica o que Paulo o apóstolo coloca no capítulo dois da primeira epístola de Paulo aos de Corinto, principalmente o verso quatro, onde diz respeito aos que se propõe a pregar os Evangelhos, e o verso nove que se refere aos fenômenos inusitados aos que estão na fase de oferecer e de receber o “Leite”, e que, portanto, desconhecem o “alimento sólido”, de conformidade ao que se lê em Hebreus: capítulo 5 e no inicio do capítulo 6. Leiam com atenção.

O senhor Jesus deveria saber, assim como Paulo, que a humanidade em geral apresenta 70% de indivíduos que ainda são psicologicamente imaturos para a racionalização (Homem Natural), 25% podem desenvolver o raciocínio lógico, concreto direto e objetivo (Homem Carnal), e talvez 5% fazem abstrações coerentes com as realidades do Mundo Exterior e do Mundo Interior (Homem Espiritual). Por essa razão o senhor Jesus desenvolveu dois níveis de doutrinas: Um para o povo em geral, e outro nível dado em reservado para os discípulos, dos quais alguns aproveitaram bem, outros não, no sentido de desenvolverem habilidades psíquicas.

Essas habilidades favorecem obedecer ao que é sugerido em Matheus 10: versos 8 – “Curai os enfermos, limpai os leprosos, ressuscitai os mortos, e expulsai os demônios, de graça dai, de graça recebestes.” 9 – “ não possuais ouro nem prata nem cobre em vossos cintos.” (palavras de Jesus).

Onde foi parar essa doutrina que o senhor Jesus deu em reservado? Foi reservada pelos que fizeram a montagem da Bíblia por ordem do Imperador Constantino por volta de 260 D.C.? É possível encontrar as origens dessa instrução e práticas? Creio que sim! Em primeiro lugar, se não for à Biblioteca do Vaticano, é dando importância em decodificar a informação existente em Hebreus: “Jesus o Cristo, Sumo Sacerdote da Ordem de Melquisedeque”.
Melquisedeque, rei de Salem, deveria ser um Mago, pois impressionou muito a Abrão que o chamou de Sacerdote do Deus Altíssimo. Se Abrão fosse um vivente entre os polinésios e ou havaianos, chamaria Melquisedeque de “Amigo de Deus” (Kanaloa). Melquisedeque viveu 2.700 anos antes de Jesus e deixou discípulos que fundaram a Ordem de Melquisedeque. Tudo indica que o senhor Jesus frequentou a Ordem de Melquisedeque, onde se habilitou e se distinguiu como Sumo Sacerdote.

Está registrado na Bíblia que Melquisedeque não teve origem, e essa frase é mal interpretada pelos estudiosos das religiões com pensamento místico. Melquisedeque não teve origem registrada como descendente de Adão e Eva na linhagem estabelecida nas escrituras dos adoradores de El, que depois da saída do Egito tomaram o nome de Israel (Isis, Ra, El), os nomes dos deuses adorados pelos que saíram do cativeiro junto com Moisés.

Curiosamente, quando Moisés fazia o percurso em direção à terra prometida, encontraram um povoado aos pés do Monte Hebron, os Hebreus, onde o Sumo Sacerdote era de Jeová, devido ele ser detentor dos princípios da Vida e da Multiplicação da espécie humana, “Yode – He – Vau – He”. Assimilaram o povoado tornando os Hebreus seus servos (escravos), o que obrigou Moisés a regulamentar essa servidão em “Suas Leis”: “Se tiveres um servo Hebreu, que trabalhe 7 anos, mas depois liberte-o”, “se seu filho se casar com uma serva hebreia, liberte-a e a considere como filha”. Assim o magote era agora composto de ex- adoradores de Ísis, de Ra, de El (o Senhor) e de Jeová. O povo de Israel mais os hebreus constituíram o que os romanos denominaram de Judeus.

Melquisedeque pode ter tido origem de uma das etnias procedente dos polinésios, pois devia conhecer bem a Magia manifesta na tradição oral da Huna, um código de conduta para os Magos polinésios e Havaianos.

É interessante conhecer a Huna e verificar que as bases do Código Huna se repetem na Lei Áurea dos Evangelhos, e no conteúdo de muitos versículos Bíblicos que coincidem com os princípios da mesma Huna.

Huna- “É preciso mudar padrões de comportamento e valores éticos”. Evangelho:- É preciso ser um novo Homem (conversão). Huna:- “Tenha sempre o maior respeito pela Divindade, e que haja sempre amor compartilhado entre os homens”. Evangelho:- Ama a Deus sobre todas as coisas, e ao próximo como a ti mesmo. Pura Coincidência? Não!

O que era a pequena magia entre polinésios e havaianos? Curar pessoas e influir no comportamento de plantas e animais. O que era grande magia? Influir sobre as forças naturais como chamar o vento, ou parar o vento. Fazer chover ou fazer parar de chover. Parar tempestades. Etc.

O que Jesus diz a respeito disso? João 14: 12: “Aquele que ouve as minhas palavras (instruções) fará as coisa que eu faço, e coisas maiores do que esta fará, porque eu vou para meu Pai”… Jesus humildemente afirma somos todos iguais, tendo confirmado os dizeres do Salmo 82: 6. Todos são Filhos do Altíssimo, e que alguns podem ser pequenos deuses.

Huna:- “Na essência somos “Todo Um”, mas a individualidade é uma condição útil para que haja evolução individual sem depender dos demais”.

Como seria maravilhoso ver todos os líderes religiosos se enquadrarem em 1º aos de Corinto 2: 4, – “A minha pregação não consiste em vãs palavras da sabedoria humana, mas em demonstração de Espírito e Poder.”, e assim conduzirem as congregações para satisfazer o que está em João 14: 12 conforme desejava Jesus. No entanto só se ouve discurso.
Se demonstrassem Espírito e Poder, seria por que teriam se beneficiado do que está no versículo 9.

Essas são as condições do verso 9:- “ Mas, como está escrito: As coisas que o olho não viu, os ouvidos não ouviram, e não subiram ao coração do Homem, são as coisa que Deus separou para os que verdadeiramente O Amam”, as quais dependem de satisfazer o verso 4 de 1º aos de Corinto capítulo 2. E isso é muito raro de se ver.

Na Bíblia está escrito que nas igrejas deve haver pastores e mestres. Questionei isso com um diretor de Faculdade Teológica, e a resposta foi que os pastores são mestres… Os Mestres com habilidades psíquicas podem ser formados com algumas horas de exercícios mentais para integração dos três aspectos da Consciência com reprogramação que confere integridade. Pastores podem ser mestres se aprenderem como no mínimo ajudar pessoas a que se curem, obedecendo a Matheus 10: 8 e 9. Leiam!

Nota:- A maioria dos líderes aparenta que eles devem se sobressair em algum aspecto, seja na facilidade de expressão, seja na cultura informática, seja na cultura do conhecimento (experiências eficientes), e com o tempo eles querem exercer algum tipo de poder sobre seus comandados. Se têm Espírito e poder está perfeito pelos seus feitos eficientes e úteis. Na falta de Espírito e poder procuram aumentar as posses em dinheiro e propriedades para mostrar no mínimo prosperidade como “benção Divina” e poder financeiro, inventando mil razões para arrecadar de seus liderados.

Faz-me lembrar do Monsenhor Arlindo Mombach, de Brasília, que em um almoço em sua casa me disse: “Dias, o demônio é o dinheiro, mas não há religioso, ou religiosa que não goste dele.” Deus o tenha, faleceu há alguns anos.

Para finalizar, certo dia há uns quatro anos recebi a visita de dois teólogos. Não entendi porque os dois começaram a conversa afirmando um e outro “Deus é Transcendente”. Ouvi atento concordando com eles. Depois se foram sem se dar conta de que sendo Transcendente, Deus é Incognoscível e tudo o que digam a respeito Dele é do imaginário.

 

Você também pode apreciar o artigo “JESUS, O HOMEM” clique aqui

 

Alberto Barbosa Pinto Dias, Bacharel em História Natural (todas as Disciplinas Biológicas e Geológicas), Licenciado, Especialista. USP, 1955.

Postado em : Religião

Deixe sua mensagem

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

.