A Alma

A Alma

A Alma

Realmente a palavra Alma vem de Ânima, ou, o que nos anima a pensar e agir, palavra que vem do Grego desde a era dos filósofos. À medida que o tempo passa novos conhecimentos são acrescentados e os conceitos são mudados, as palavras tomam outro sentido, fenômeno este estudado pela semântica.

Estamos na Era da evolução da Teoria Quântica entre os físicos mais avançados. Naturalmente os místicos esotéricos, sempre se caracterizaram por buscar informações da ciência que apoiem seus conceitos místicos, e nisso os místicos esotéricos diferem dos místicos comuns com suas tradições em crenças e fundamentos, alternando como base para discussão.

Os místicos comuns, simples, e os alternativos, se contentam com informações a respeito do que seja lógico, até razoável, mesmo que seja pouco ou nada provável. Os místicos esotéricos procuram o que seja provável pela ciência, e por essa razão, os místicos comuns, que se contentam com a imaginação fantasiosa, não aceitam os místicos esotéricos.

Certa vez recebi um K-7 com um sermão de um pastor Evangélico, de linha pentecostal que atacava os esotéricos. Nós podemos entender e compreender essa atitude de quem expressa opinião baseada em crenças limitantes, que estabeleçam normas e princípios em um Sistema Organizado pelos homens de forma arbitrária.

Nosso Eu Maior é Nossa Consciência. Nossa Consciência é um Campo de Energia individualizado, e por essa razão limitado, como uma nano-bolha da Consciência Divina, que se caracteriza por ter qualidades de Ser Inteligente e poder Exercer Vontade. A Alma de um indivíduo é caracterizada pela qualidade e pela quantidade de informações, e pela qualidade e quantidade de Conhecimento que a Consciência individual traz. Portanto, Alma se refere à uma Consciência e suas qualidades.

A diferença entre Informação e Conhecimento está no fato de que Informação confere a cultura mais variada a uma Consciência. As informações podem ser prováveis, ou, improváveis, e estas últimas só servem como “palha de encaixotamento” para abrilhantar discursos vazios de práticas, e que podem ser repetitivos dentro de uma Filosofia que atenda a uma única perspectiva.

A Cultura possibilita ao indivíduo acumular Crenças que às vezes são Limitantes. Por exemplo, certas normas e princípios elaborados pela mente humana, para reger a conduta dos indivíduos em Sistema Organizados, são arbitrários, e eles podem limitar as ações criativas e construtivas de um indivíduo, que reage porque sabe que sempre há outras maneiras de se fazer a mesma coisa. Talvez por essa razão, o Mestre Jesus, há seu tempo, e que nunca estabeleceu Sistemas Organizados, afirmou que haveria “Cegos Guiando Cegos”, naturalmente baseados em Crenças Limitantes.

Conhecimento é o que resulta das experiências eficientes que um indivíduo faz e cujos resultados servem de base sólida, objetiva, para elaborar pensamentos que se tornam Crenças Úteis por serem Criativas e Construtivas. Depois cabe ao indivíduo que tem conhecimento ser positivo, honesto, puro nas intenções, limpo e bom nas ações.
Alberto Barbosa Pinto Dias, Bacharel em História Natural (todas as Disciplinas Biológicas e Geológicas), Licenciado, Especialista. USP, 1955.

Postado em : Conceitos , Conceitos básicos

Deixe sua mensagem

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

.