A Teoria e a Prática

A Teoria e a Prática

A Teoria e a Prática              

Ninguém chega ao meio de uma escada sem antes pisar nos degraus que antecedem a posição pretendida. Assim é com o conhecimento, onde a escada é dupla, podendo-se subir por um dos lados, o teórico, cultural, e possivelmente ter uma ideia a respeito do que seria o resultado prático.

O outro lado da escada seria como é feito no processo de observação científica, quando da observação dos resultados de uma ou mais práticas permitem elaborar hipóteses que suportam a teoria.

Para estudar o que foi registrado como fruto da experiência de outros, é preciso interesse do tipo intelectual e exige atenção, persistência, e uma boa dose de expectativa. O mais difícil é a persistência pelo tempo que se despende em Entender (como processo intelectual), Apreender (reter na memória), e Compreender (perceber, aceitar e conotar).

Naturalmente esse procedimento nos dá Cultura e possivelmente Erudição para quem tem facilidade de memorizar e expor. O procedimento filosófico, puramente teórico, leva ao risco de o erudito se ater a citações de experiências de terceiros sem o conhecimento da atualidade que permita formar uma Realidade Pessoal mais consistente.

O resultado prático de uma experiência permite que se tenha uma percepção que, somada à percepção de outros resultados, possibilita trabalhar em introspecção com uma Realidade pessoal e assim a imaginação criadora tem possibilidade de conotar o efeito com a causa. Então o indivíduo percebe as Causas e os Efeitos.

Os resultados pessoais permitem hipóteses, comparando-as com as explicações de outros. É por esta razão que concitamos você a verificar resultados práticos sempre que necessário e a partir das experiências pessoais, questionar e estudar à luz da sua própria experiência.

A verdade é relativa à realidade que cada pessoa constrói, mas sempre há uma realidade mais além daquela que se percebe no momento atual.

Quando apenas recebemos informações, realizamos uma percepção para entendimento. Este depende muito da atenção e das idéias anteriores (preconceitos) que possam estar associadas a essas novas idéias, exercendo influência na compreensão. Na verdade, nessa condição, construímos um “mapa de realidade” sugerido, ou seja, um mapa que apenas representa a realidade sugerida.

Assim como os mapas cartográficos representam os acidentes geológicos e geográficos, mas não são os acidentes, assim também as ideias que fazemos como realidades são representações de uma atualidade. A verdade é relativa, é o fruto das realidades que cada um idealizou, ou, a partir de informações, ou, de experiências pessoais.

Nada pode substituir a experiência pessoal a respeito de um fato qualquer. Um treinamento de 24 a 32 horas (dois finais de semana) pode modificar o seu nível de consciência, a capacidade de concentração, a velocidade de memorização, a velocidade de associação de ideias, a capacidade de imaginação e de resolver problemas.

Perceber o que é telepatia através de hiperestesia obtida através de exercícios é algo impressionante porque abre todo o entendimento e a compreensão para o que seja a terceira visão.

Alberto Barbosa Pinto Dias, Bacharel em História Natural (todas as Disciplinas Biológicas e Geológicas), Licenciado, Especialista. USP, 1955.

[vc_row full_width="" parallax="" parallax_image=""][vc_column width="1/1"][vc_facebook type="standard"][/vc_column][/vc_row]

Postado em : Justificando as Práticas

Deixe sua mensagem

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

.