A propósito de um cartão de Natal

A propósito de um cartão de Natal


Silent Night

A PROPÓSITO DE UM CARTÃO DE NATAL

Acabo de receber um cartão a propósito de Natal. Seu conteúdo, logo de início, me chamou a atenção à Trilogia Psicanalítica do Dr. Kepp, lembrando-me do Instituto ao lado do Supermercado Eldorado, onde dei dois cursos a pedido do mesmo, sendo um deles para 23  Másteres de PNL. A ação conjunta do físico, mental e espiritual, nem sempre é equilibrada.

As ondas eletromagnéticas são produzidas pelos neurônios, portanto com base física. O ponto de emissão de ondas acredita-se que seja na epífise quando rica em cristais de calcita, mencionado como “areia nas células da epífise”, pelos doutos médicos que, consideram-na como um órgão atrofiado, e outros, como estação receptora e transmissora de informações.

Primariamente o indivíduo reage predominantemente com sentimentos desde a infância até que amadureça, havendo crescimento e desenvolvimento do lado Mental. O Mental, por sua vez, coordena e desenvolve os pensamentos à medida que equilibra e supera o emocional e os seus sentimentos primários.

As ações e reações são produzidas pelos sentimentos quando impensadas, e pelos pensamentos quando preconcebidas, ou melhor, imaginadas. As ações são definidas pela intenção e atitude que as precede ou acompanha, dando uma realimentação do que realmente se pensa em profundidade introspectiva naquele que vai agir.

As ondas eletromagnéticas provenientes do tipo de pensamento que tem conotação com o consciente, quando ligado com o exterior, são de baixa frequência, situando-se entre as ondas de som e as do calor.

As ondas eletromagnéticas que tem frequência similar às da luz, raios X e até raios cósmicos, somente obtemos quando em introspecção. Aquelas que poderiam ser denominadas espirituais, que ultrapassam as dos raios cósmicos, somente em introspecção profunda. Daí, talvez, a recomendação de “vivei em oração” e “orai pelos vossos inimigos” para atingir esse estágio.

Realmente é difícil harmonizar sentimentos, pensamentos e ações de modo equilibrado. Duas perguntas que me foram feitas evidenciam isso. A primeira pergunta foi: “por que no Natal os mais saudáveis criam um clima favorável, mas os insanos buscam exatamente neste período a infelicidade”? A segunda: “por que adoecem diante da proposta de vida bela à nossa disposição”?

A questão é definir o padrão de quem é que é saudável e por que! E qual o padrão que define quem é insano e por que! Na segunda, é definir o que se entende por “proposta de vida bela”.

A primeira questão estaria resolvida e descartada, pois, a tendência em geral é considerar certo e saudável aquele que pensa e age como nós (nosso grupo, nossa patota, nossa crença, nossa tribo, nossa congregação, nosso partido político etc.), considerando-se insano e “perdido” aquele que pensa e age de modo diferente. Agora, não sei por que, lembrei-me da Marilena Chauí e da Maria do Rosário.

As crianças e adultos de mentalidade infantil, em geral são mais felizes quando estão com saúde, bem agasalhadas e bem alimentadas. Podem viver os seus sonhos e suas fantasias.

Não é o caso das crianças africanas, e as das periferias das cidades. Você já pensou o que o Natal significa para o miserável e faminto; para a criança que não tem a mínima esperança de ver de perto o resultado da “existência” do papai Noel, mesmo sendo ele um Mito Escandinavo, adotado pelos Sistemas Organizados autodenominados Cristãos, ávidos de adeptos contribuintes?

Seriam eles por acaso insanos por estarem infelizes? Qual é essa proposta de vida bela à sua disposição? Como harmonizar o nascimento de Jesus, precursor do Homem Jesus, o Renovador Social da época, com o Natal que é apresentado, com “papai Noel” pagão, queima de fogos, mesas ricas de um lado e miséria humana do outro?

Nada como ser infantil, estar bem de vida e sonhar com o Natal, nesse clima favorável.

Quem sabe Lula lá, ou, Dilma lá, pudessem ter projetado melhor esse espírito de Natal para 2016, e um 2017, ano em que se espera que se corrija a distorção econômica, além da miopia geral em relação à situação econômica que eles dois deixaram o País para os próximos anos.

Os mais otimistas que comemorem bem o Natal de 2016, e depois aguardem as “águas de março” e o “inverno de Junho”. Como será o Natal de 2017? O “Triangulo de Ferro” que pesa sobre a população, Executivo, Legislativo e Judiciário, já está se garantindo com aumentos consideráveis de salário, antes de aprovar a PEC 241, e a reforma da Previdência.

Alberto Barbosa Pinto Dias, Bacharel em História Natural (todas as Disciplinas Biológicas e Geológicas), Licenciado, Especialista em Fisiologia (Bioenergética e Órgãos dos Sentidos) USP, 1955. Qualquer questionamento sempre será bem recebido e respondido.

Postado em : Reflexões

Deixe sua mensagem

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

.