A Ignorância e o Esclarecimento

A Ignorância e o Esclarecimento

 A Ignorância e o Esclarecimento

A Ignorância é o maior desafio do ser humano. A Ignorância se vence aos poucos quando se quer, e se tem condição mental para entender e buscar informações corretas. A informação que mistura conceitos de diferentes naturezas não tira ninguém da ignorância nem favorece o conhecimento.

Só a experiência dá conhecimento. Comecemos por firmar conceitos exatos, evitando essa bagunça de símbolos mal conceituados e mal direcionados. Isso não dá segurança ao Cristão, pois se desse, não haveria necessidade de publicações que questionam os símbolos.

A Fé é um sentimento de que Deus existe. Ou você sente ou não sente. Se sente, tem Fé em Deus. Sendo Deus Incognoscível, Inescrutável, Insondável, não há provas de que ele existe como não há provas de que não existe. É duvidoso tudo o que se possa dizer a respeito de suas qualidades desejos e necessidades. Não entendo como podem estudar Teologia, e tirar diplomas a respeito do que todos desconhecem..

 Se há o sentimento de que Deus existe, há a pressuposição resultante. A pressuposição resultante é a Crença de que Ele existe. A palavra Crença define a aceitação, como sendo uma verdade, de um pensamento que expressa uma suposição, lógica e até razoável, se bem que pouco provável.

Eu Creio que Deus Existe. Vocês creem que Deus existe, nós Cremos que Deus existe. Há quem não creia porque não sente, pois para eles não  existe. Fim! Sem discussão. A expressão “Rompendo em Fé não diz nada além de sugerir rompância e isso é negativo e é altivez” (Caldas Aulete).

Pessoas que sentem que Deus existe se reúnem para falar a respeito da existência de Deus, e é uma reunião de Crentes na existência de Deus. Sempre que há um grupo de pessoas, que se reúna por hábito, surge uma liderança, e essa liderança usa a imaginação para gerar um Sistema Organizado de forma arbitrária, que mantenha os crentes unidos e obedientes aos líderes, e esse sistema organizado pode ser denominada Religião, ou, Ordem.

Cada uma das quatrocentas Religiões se caracteriza por Crenças regulamentadas por Normas, Princípios, Dogmas e ou Fundamentos, e Rituais. O local de reunião é um espaço físico denominado Templo. No templo se reúne uma Eclésia, ou, um grupo de pessoas que tem a finalidade de falar a respeito de algum assunto. Quando o assunto é falar de Deus, de uma Divindade que todos desconhecem, e cultuar a um Deus que todos desconhecem, a Eclésia é denominada Igreja. Uma Igreja é regulamentada por Estatutos.

Assim sendo, os indivíduos que frequentam um Templo devem ter Fé, pelo fato de acreditarem que a Divindade existe, e ter uma Crença regulamentada por normas, princípios, dogmas e fundamentos, tornando-se adeptos a isso. Se a pessoa frequenta um Sistema Organizado de forma arbitrária, tornando-se um adepto, de indivíduo livre pensador, torna-se um sujeito às Normas Princípios e Estatutos quando os há, e inferior aos que o policiam isto além da obrigação de um Dízimo e ofertas de tolos, segundo Salomão Eclesiastes Capítulo 5, versos de um até três.

Quando a pessoa associa as Crenças com uma Fé, gera uma Convicção.

As pessoas Convictas pela Fé e pela Crença adotada  podem ser Cultas, bem informadas, ou, mal informadas. Quando as pessoas são mal informadas, a Convicção associada à ignorância gera o Fanatismo. O fanatismo é uma reação inconsequente para a própria pessoa, além do desequilíbrio mental, mas pode gerar consequências para as demais.

Vamos começar por nos informar corretamente a respeito de Símbolos.

Assim como há pessoas que acreditam que Deus existe, e também podem acreditar que o demônio existe, eu acredito que deus existe, mas acredito que o demônio só existe e vive na cabeça de quem acredita nele. O demônio é o dinheiro e seus seguidores são as pessoas que adoram correr atrás do dinheiro como Judas. E disso nem os prelados escapam.

Outros não acreditam que Deus existe, mas acreditam que o demônio existe pela maldade dos homens que acreditam em Deus, haja vista as barbaridades das cruzadas, do santo ofício, das vendas das indulgências, do apoio da Igreja Católica ao Nazismo etc. etc. como também a Nação Americana representada pelos milhões de crentes, que dominam as outras pelas armas para fazer valer seus interesses financeiros, e no momento, os interesses são petrolíferos. A nação Americana é dominada pelo Grupo de Banqueiros.

Tudo o que possa ser comprovado pela experiência dá Conhecimento. Uma informação que é comprovada pela experiência torna-se Conhecimento. Toda a verdade é relativa, pois só é verdadeiro o que funciona. Assim sendo, a eficiência é a medida da verdade como propõe Paulo na 1ª Epístola aos de Corinto, Cap. 2 verso 4, e o senhor Jesus, segundo João Cap. 14, verso 12 possuía um Conhecimento, que pretendia passar aos demais. Essas passagens deveriam ser levadas em conta pelos cristãos que se esquecem da Espiritualidade (Esclarecimento) enquanto discutem símbolos e religiões.

Vamos aos outros símbolos.

O mais antigo é o símbolo de Horus, procedente do Egito.

Quem era Horus? Horus mitologicamente simbolizava um filho da deusa Isis que foi fecundada espiritualmente pelo deus Amon Ra. A deusa Isis representava a sacralidade da mulher que pode dar a luz a um ser humano, e Amon Ra era o nome que os Egípcios davam ao deus altíssimo criador do Universo de Sóis, e Ra relativo ao Sol que nos dá a vida neste Planeta.

Da suposta fecundação espiritual de Isis por Amon Ra, resultou o nascimento de Horus que simboliza o Homem Espiritual (Esclarecido). Em outras palavras, a mulher dá a luz um ser que recebe de Deus o Espírito que se torna Consciência, a imagem e semelhança da Divindade. E não é isso que está na Bíblia?

Na Mitologia Egípcia, Hórus o homem espiritualizado (esclarecido), foi morto por Anúbis, o deus das trevas (o lado mau e ignorante), mas Hórus ressuscitou no terceiro dia, voltando à vida, representando a vitória da Espiritualidade sobre o Mal e sobre a ignorância. Sempre há esperança pelo menos no Mundo Espiritual, ou seja, no Esclarecimento.

Qualquer semelhança do Mito Egípcio a respeito de Hórus, com a história de Jesus que veio cerca de 3.000 anos depois é mera coincidência? Você decide.

Os Egípcios usavam em seus hieróglifos representar o Espírito por uma ave. Como o falcão é a ave que voa alto e que tem uma vista aguda para perceber detalhes, eles usaram um falcão para representar Hórus, o Esclarecido. O Olho de Horus representa a Visão do Homem Espiritual (Esclarecido) que tudo vê e tudo discerne, mas não é discernido pelos demais. Esses símbolos eram usados para representar o esforço das pessoas em alcançar o Dom da Visão, do esclarecimento, que permite a percepção subjetiva das coisas objetivas e subjetivas.

Para completar, a Consciência era representada, nos hieróglifos, pela figura de três aves bem juntas, o que significa que a consciência humana é trina, por ser a imagem e semelhança do Deus Altíssimo. Assim a consciência humana tem três aspectos, o Eu Básico que é a parte da Consciência relativa ao físico e suas funções, bem como ao banco de memória que constitui o subconsciente.

O Eu Superior que é a porção divina doada por Deus, e é a que permite o Dom da Visão quando os Eus estão integrados. O Eu Médio que é o aspecto da consciência que mostra o nível Consciente lógico, racional e analítico, e que faz intermediação entre o Eu Básico e o Eu Superior.

A integração do Eu Médio com o Eu Básico perfaz o Ego. O Ego deverá se integrar com o Eu Superior, ou, O Pai que em mim opera as obras, para se ter o Dom da Visão e o Dom da “Cura”. Quer um exemplo?

O uso que a massa rude e ignara faz da simbologia, é estúpida e resulta da Ignorância. Haja vista a Cruz, símbolo do sacrifício do Senhor Jesus por amor ao próximo, na mão dos Cruzados chacinando árabes e judeus. O troco veio de modo Silencioso por Sem, e truculento por Jafet.

Os artistas que usam esses recursos sensibilizam os 70% da humanidade que é mal informada, e que tem dificuldades com o raciocínio lógico que dá importância ao que é razoável, e abomina o que seja pouco provável e improvável.

Fraternalmente, Dias

Obs.- Qualquer dúvida será esclarecida e, qualquer questionamento será bem recebido. 

Alberto Barbosa Pinto Dias, Bacharel em História Natural (todas as Disciplinas Biológicas e Geológicas), Licenciado, Especialista. USP, 1955.

[vc_row full_width="" parallax="" parallax_image=""][vc_column width="1/1"][vc_facebook type="standard"][/vc_column][/vc_row]

Postado em : Religião

2 Comentários


    • Emerson Costa Neto
    • novembro 6, 2015
    • Responder
    • Cancelar resposta

    Texto que contém muitas informações e que precisa de um bom tempo para digeri-las.

      • Alberto Barbosa Pinto Dias
      • novembro 6, 2015
      • Responder
      • Cancelar resposta

      Para pessoas inteligentes como você é brincadeira de ginasiano.kkkkk

Deixe sua mensagem

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

.