11º – Reflexões Básicas Para Aficionados em Psicologia

11º – Reflexões Básicas Para Aficionados em Psicologia

Reflexões Básicas Para Aficionados em Psicologia XI

 

A HIPNOSE SOB O PONTO DE VISTA MÉDICO E MODERNO

Quando observamos crianças, na média até sete anos de idade, elas manifestam-se incapazes, ou quase, de processar um raciocínio indutivo. A conotação de ideias é primária, mas podemos ajudá-las a induzir as ligações.

No geral, o raciocínio é dedutivo. Aceitam com facilidade sugestões, que geralmente só discutem depois dos sete anos de idade. Portanto, a característica maior é o alto grau de sugestibilidade.

Em termos de hipnose, poderíamos dizer que acessamos com facilidade o subconsciente de uma criança, pois ela se encontra o tempo todo em estado hipnoidal. A criança aceita com facilidade uma crença pela incapacidade de análise crítica.

A constatação disso é fácil, pois basta perguntar a um adulto:- “você acreditou em Papai Noel, alguma vez em sua vida? Até que idade continuou acreditando?”.  A criança não faz uma análise crítica do ridículo que é a história de um velho gordo de barbas brancas, morando no polo Norte, fazendo brinquedos durante um ano para depois distribuí-los por todo mundo, descendo por uma chaminé.

A maioria dirá até seis ou sete anos. Uma boa parte dirá que foi até 8, 9, ou 10 anos. Acreditar em papai Noel foi uma crença que não foi reforçada depois dos oito anos de idade. Que dizer de crenças que recebem reforço semanal?

A segunda maneira de acesso ao subconsciente é causar uma grande emoção, e em seguida sugerir alguma coisa com frase de efeito.

A terceira maneira é a repetição de um mesmo pensamento várias vezes em nível de introspeção.

Nos três casos o cérebro trabalha com baixa pulsação e alto nível de energia.

Os hipnotizadores do século passado procuravam através da hipnose, melhorar as condições dos pacientes.

Freud verificou que durante o processo de análise, se o paciente estava sob hipnose, facilitava as lembranças. Também poderia modificar comportamento através de ordens em estado hipnoidal. Freud não pode prosseguir em suas experiências por proibição da classe médica da época.

Em termos de fisiologia cerebral, estar em estado de hipnose é ter o cérebro pulsando predominantemente no nível em que pulsava quando criança entre quatro e sete anos de idade. Como adulto, ele pulsa assim por instantes, quando a pessoa está concentrada em criatividade e improviso, ou quando em momentos de paixão ou ódio. O estado de hipnose favorece certa estabilidade nesse nível, pulsando por mais tempo, e permitindo ações que dependam dessas condições, como mudanças de hábitos e de comportamento.

PULSAÇÃO CEREBRAL, ESTADO MENTAL E ENERGIA

Cada uma dos milhões de células que constituem o Sistema Nervoso funciona a custa de reações químicas vitais que absorvem e liberam energia. São ao todo cerca de 5.000 reações concomitantes controladas por enzimas, e a principal característica das células nervosas e musculares é a produção de eletricidade.

Cada neurônio periodicamente produz uma corrente eletroquímica que irá estimular células de uma glândula ou células de músculo. O ritmo de pulsação varia de acordo com a atividade da área do cérebro.

As pulsações poderão ir de 0,5 pulsos por segundo, ou melhor, um pulso a cada 2 segundos, até 60 pulsos por segundo. Em outras palavras de 0,5 ciclos/seg. até 60 ciclos/seg., que também se diz 60 Hertz.

Quando dormimos predominam pulsações de 0,5 Hertz até 4 Hertz., que são denominados pulsos Delta. A energia existente é de 10 até 50 microvolts.

A faixa de pulsação de 4 até 7 ciclos/seg. recebe o nome de pulsos Tetha e a energia manifesta é de 250, 380, até 2.500 microvolts em paranormais. A predominância de pulsos Tetha se dá em situações de improviso, criatividade, emoções e em estado de hipnose ou auto-hipnose induzido por automatismos, ou ainda sob o efeito de neuroquímicos.

Quando há predominância de pulsos Tetha, há maior facilidade de acessar o subconsciente para uma programação mais forte, melhorando as gravações de memória. Também facilita os enfoques no banco de dados e informações, proporcionando a lembrança de fatos passados há muito tempo, bem como vivenciar situações do passado. Nisto se baseia a hipnoterapia.

A faixa de pulsos de 7 ciclos/seg. até 14 ciclos/seg. denomina-se Alpha e o nível de energia está ao redor de 100 microvolts. A predominância deste tipo de pulsação é típica em crianças na faixa dos oito aos 12 anos de idade. Nessa faixa de pulsação, a visualização e a imaginação são facilitadas na criança, como no adulto. A diferença está em que no adulto a imaginação obedece a um sentido lógico, racional, e mostra bom senso. É evidente que há pessoas com idade cronológica de adulto, porém de imaginação e atitudes que estão longe do que seria lógico e razoável.

Uma boa medida para testar o amadurecimento, em termos de antropologia, é verificar o quanto o indivíduo consegue conviver com as incertezas.

Pessoas imaturas e infantis estão sempre procurando explicações que sirvam de suporte para a sua insegurança. Sempre poderão encontrar alguém que saiba dizer coisas bonitas, de maneira lógica, até razoável, se bem que pouco prováveis e na maior parte das vezes a troco de coisas mais concretas como dinheiro, pago, doado, ou contribuído.

Na medida em que o indivíduo amadurece, a pulsação predominante, quando acordado e voltado para o meio exterior é ao redor de 21 ciclos/seg. e é denominada pulsação Betha. O nível de energia é de 50 microvolts.

Se houver motivo para tensão, ansiedade ou medo, a pulsação dos neurônios aumenta e o nível de energia disponível decresce progressivamente para 40, 30, 20, e até 10 microvolts. Quando a pulsação atinge os 60 ciclos/seg., ao nível de 10 microvolts, a pessoa desmaia.

Inversamente, se o indivíduo sob tensão e ansiedade enfocar mentalmente algo que saiba de cor e salteado, que constitua enfoques mentais neutros, como uma canção, uma poesia ou uma prece, a pulsação diminui e o nível de energia aumenta. A tranquilidade pode voltar e a imaginação, agora controlada, ajuda a resolver o problema ou a situação.

É comum que uma pessoa que esteja fazendo uma prece, se surpreenda no meio da oração com imagens e lembranças de coisas do dia a dia. Nesse ponto há predominância de pulsos Alpha com 10 ciclos/seg., como que se abre o banco de memória e as coisas que preocupam e não foram resolvidas vem à tona.

 

Alberto Barbosa Pinto Dias, Bacharel em História Natural (todas as Disciplinas Biológicas e Geológicas), Licenciado, Especialista. USP, 1955.
Qualquer questionamento sempre será bem recebido e respondido.

Postado em : Aficionados em Psicologia

Deixe sua mensagem

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

.