09 – Consciência, Inteligência e Realidade

09 – Consciência, Inteligência e Realidade

Consciência, Inteligência e Realidade (9/18)

Comecemos por recordar que toda informação nos é passada sob uma perspectiva. A informação é entendida quando se percebe a razão lógica da informação sob a perspectiva dada. Se a informação entendida for aceita como verdade, dizemos que houve compreensão. A Compreensão determina o rumo da Percepção e esta dá o nível de Conscientização.

Uma mudança de perspectiva pode mudar tudo e o intelectual experiente analisa a informação sob outras perspectivas, obtendo entendimento, compreensão e percepção diferenciados, saindo então do usual, analisando e questionando antes de perceber qual o resultado mais razoável e provável.

Quando uma informação é tida como verdadeira, passa a fazer parte da Realidade interior do indivíduo que a aceitou da forma como veio. Por essa razão dizemos: “aquilo que você acredita que é verdade, é verdade para você”, e passou a ser uma Crença.

A tendência dos indivíduos é defender as suas verdades relativas à suas Crenças. Então as crenças adquiridas e fixadas têm importância no rumo dos pronunciamentos de idéias, pensamentos e ações de um indivíduo, seja político religioso, ou, político social, ou, um banqueiro, ou, um cidadão comum.

Informação passada de modo equivocado em idade em que o indivíduo ainda não aprendeu a raciocinar de modo indutivo e dedutivo, e ainda não tem um cabedal adequado de informações lógicas, razoáveis e prováveis, (de zero a sete anos) pode determinar crenças equivocadas e muitas vezes limitantes, bitolando com engramas o rumo dos pensamentos e das ações futuras. O indivíduo não amadurece psicologicamente em alguns aspectos, e não sabe conviver com as incertezas.

Se um indivíduo tem um nível de consciência comum, básico, onde as informações e os pensamentos são limitados às percepções do mundo físico e objetivo, a Realidade em que ele vive é relativa ao nível físico, objetivo e material, podendo desenvolver o intelecto de modo mais simples, e podemos denominá-lo de Homem Natural, como o fez o Apóstolo Paulo.  Tende a viver enfatizando o que seja emocional, sensual, dando importância às fantasias.

Se um indivíduo tem uma realidade relativa ao mundo físico, e tem mais outra realidade, que é devida à percepção dos efeitos práticos e eficientes resultantes da projeção de energia quântica por enfoque mental adequado, efeitos esses tanto subjetivos como objetivos, ele vive em uma realidade de Consciência expandida para outra dimensão, a qual não pode ser entendida pelos indivíduos de um nível de consciência somente relativa ao mundo físico e intelectual, mesmo que seja abstrato. Este indivíduo pode ser chamado de Homem Carnal (Apóstolo Paulo), ou de Lono (Código da Huna). Ele tem uma noção firme do mundo material e percebe que há um mundo de energia alem do material, tem uma vida psíquica e desconfia da existência de outros seres nesse seu mundo psíquico, mas não vivencia as práticas das habilidades psíquicas, não tem a experiência que dá o conhecimento nessa área.

Se um indivíduo soma o nível de consciência relativa ao mundo físico, com o nível de consciência relativa ao poder de ação por enfoque mental em nível psíquico, e se ele ainda tem Consciência das possibilidades de percepção e de decodificação de informações que chegam ao cérebro de modo direto e subjetivo, a sua Realidade difere totalmente da realidade dos dois tipos anteriores.

Os Polinésios o denominavam Kahuna, ou, o dono do segredo. Esse tipo é mais raro. Percebe as causas dos males subjetivamente, e faz projeção de energia quântica por enfoque mental adequado, corrigindo os problemas detectados.

Para quem não tem a experiência da realidade psíquica expandida, não entende, não percebe, e resta  curtir o conceito de Mistério. 1ª Epístola de Paulo aos de Corinto, Capítulo 2, versos 14, 15 está absolutamente certa quanto a isso.

Geralmente quem sabe faz acontecer! 

Quem não faz acontecer quer explicar como se faz com um sem número de suposições baseadas em pressuposições, repetidas “com autoridade” intelectual, e isso resulta em Crenças Ineficientes e Limitantes, que são como as impostas pelos intelectuais mais cultos aos imaturos, inseguros e carentes de informações exatas, ou seja, carentes de informações que sejam resultantes de experiências pessoais e eficientes.

Quem não faz, nem sabe explicar, gosta de mandar, ou, conduzir os demais dentro de seus próprios limites de percepção e de intelectualidade. Gosta de mostrar autoridade e usa de prepotência, e ou impostura. Sorria!

O apóstolo Paulo define bem essa situação em 1º aos de Corinto, capítulo 2, versos 14 e 15:- “porque o que é espiritual tudo discerne, mas não é discernido pelos demais”. Paulo está certo em suas observações, mas discutimos o seu entendimento e sua percepção e linguagem, adequados ao nível de informações de sua época.

Em função do que conhecemos através dos resultados das ações psíquicas relativas ao mundo subjetivo, podemos dizer que “o poder vem de dentro”, e poderia ser dito, como realmente o foi pelo mestre Jesus, que ele vem “do reino dos céus que está dentro de vós”. J.C. “Aquele que crê em minhas palavras (instruções), fará as coisas que eu faço, e coisas maiores do que estas farão”, J.C. segundo João 14: 12. Quem acredita na instrução e põe fé na doutrina, faz, e ao ver resultado ganha em conhecimento, e entende o porquê da afirmação do Mestre Jesus: “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”.

Os intelectuais mal informados a respeito das ações nas áreas do psiquismo e sem experiência propalam suas suposições baseadas em pressuposições e suposições provenientes de terceiros.

Sendo que “a eficácia é a medida da verdade”, o indivíduo que se liberta das informações que são simples suposições baseadas em pressuposições, sob uma só perspectiva, está livre para agir de acordo com o seu próprio conhecimento, o qual é revelado pelo resultado das suas próprias experiências que têm resultados eficientes.

A oratória baseada em pressuposições que sustentem outras suposições e que, são usadas para sugestionar os imaturos, que não pensam por conta própria, deixa de ter sentido para os que entenderam e usaram a revelação, também dada pelo Senhor Jesus.

Vivemos em um Universo pluri dimensional. 

Perceber as diferentes dimensões relativas ao Mundo Objetivo, é uma questão de educação objetiva. 

Perceber de modo Subjetivo as diferentes dimensões do Universo Subjetivo em que estamos mergulhados é uma questão de aprender a fazer mudanças de enfoque Mental, e a ter experiências com resultados eficientes.  Mudanças de enfoque Mental determinados pela Consciência, sendo eficientes, dão uma percepção de que há diferentes níveis de conscientização, um nível de consciência para cada dimensão na escala de oitavas de energia que pode ser percebida de modo subjetivo.

Portanto, de um modo geral, sempre há alguma forma de Consciência atuando em algum nível. Quando a consciência atua por enfoque mental com intenção, surge uma forma de força (força é energia aplicada em um ponto).

A energia que se move como função do enfoque mental é uma “Substância” sutil; Espírito? Virtude? Energia Quântica? Não importa o rótulo! Alberto Barbosa Pinto Dias. Especialista em Fisiologia, USP. 1955.  diasmind@uol.com.br (11) cel. 9 9919-1476.

Postado em : Consciência, Inteligência e Realidade

Deixe sua mensagem

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

.