08º – Fé, Crença, Religião e Milagres – Reflexão e questionamentos

08º – Fé, Crença, Religião e Milagres – Reflexão e questionamentos

Fé, crenças, religião e milagres

O Pastor Daniel Rocha costuma escrever uns artigos que denomina de “Pão Quentinho”. Aprecio muito os pãezinhos que alimentam o meu banco de dados e minha vontade de refletir a respeito do conteúdo e sabor da massa e da casquinha que são variados. Na última remessa a essência do conteúdo e o sabor da finalização, ativou a minha percepção para um dado que ganhou importância: “O Eterno orienta os caminhos…”. Fez-me lembrar de Santo Agostinho que afirma que: “Deus ilumina os pensamentos do homem…”. Acredito que tenham razão e a reflexão causou um Brain Storm e senti necessidade de fazer uma revisão para dar algum reforço ao trabalho anterior, e colocar em ordem meus pensamentos.

Estas reflexões são para serem lidas sem pressa, analisadas, questionadas reflexivamente. Se houver interesse, as questões propostas em sentido contrário poderão ser arrazoadas. Os questionamentos pessoais nos obrigam a investigar mais, colher informações novas, mudar perspectivas e tentar reformular entendimentos, mudando o rumo das percepções o que, consequentemente, modifica o nível de conscientização.

Sempre há outra maneira de se pensar, dizer, ou fazer uma mesma coisa, e passando uma percepção que eu não tenha, podemos trocar informações, e discutir a lógica e a validade dos arrazoados em termos de serem prováveis. Assim sendo, consideremos meus pensamentos como sendo vapor. Poderão pela sua atitude, converter em água, ou reagir como granizo. As duas maneiras são válidas e aceitáveis, pois somos apenas semelhantes.

Levando em conta que os Evangelhos proferidos pelo Senhor Jesus foram escritos por vários discípulos e agregados, e levando em conta de que há 40% de coincidências no que escreveram, pois eram homens comuns, cada qual com seu nível de percepção e conscientização, podemos aceitar que Jesus tenha dito que “o reino dos céus está dentre vós”, referindo-se a ligação mental entre as pessoas, de modo que todos estão interligados.

Também, que “o reino dos céus está dentro de vós”, pode se referir a que todo poder vem de dentro, ou ainda mais que “o reino dos céus está dentro de vós e dentre vós”, e então tudo e todos estão interligados.

Como está em outro texto, que acrescenta que “não está nas águas, ou, os peixes seriam superiores a vós, nem nos céus, ou as aves seriam superiores…”, sendo que este último trecho segundo Thomé, está de acordo com o Gênesis 1 v. 26 e está biológica e  psicologicamente correto.

Tudo isso coincide com as expressões da Huna, Filosofia Polinésia, que vem de mais do que 12.000 anos a. C.

O Senhor Jesus é considerado por muitos como tendo tido uma geração especial, mas mesmo que esta não tivesse ocorrido, como homem, foi um menino mentalmente brilhante, resultante de uma recombinação gênica, ou, mutação que, conferiu em termos de neurociência uma neuroplasticidade fora de série, não só como escolar até os doze anos no Egito, bem como na Ordem de Melquizedeque, onde poderia ter entrado aos 12 anos de idade, e de onde saiu como Sumo Sacerdote aos 30 anos, como se pode inferir lendo em Hebreus, caps. 5, 6, 7, informação essa que escapou aos encarregados de coligir as escrituras e elaborar a Bíblia Sagrada Canônica, a mais conveniente aos Sistemas Religiosos Organizados desde os tempos do Imperador Constantino, 256 a. C.

O Senhor Jesus, formado como Sumo Sacerdote, saiu da Ordem de Melquizedeque disposto a reformular o Judaísmo como provam os relatos de seus feitos.

Podemos aceitar que a Consciência do homem, tenha sido criada à imagem e semelhança da Divindade, pois se manifesta como um campo de energia que tem qualidades de ser Inteligente e manifesta Vontade, podendo ser Criativo e Construtivo como se fora uma divindade menor, relativa à imagem e semelhança da Maior, e refletir da Maior as qualidade de como ser Criativo e Construtivo, honesto, puro, limpo, bom e positivo.

A ausência dessas qualidades pode ser atribuída ao livre arbítrio concedido pelo Criador à criatura, que como um Eu deus, pode decidir por livre vontade o caminho que toma enquanto encarnado neste planeta.

Este raciocínio está conforme lemos em Salmos, 82: 6, e circunstancialmente reafirmado pelo Senhor Jesus nos Evangelhos segundo João 10: 34 a 38. Assim sendo temos apoio para as ideias relativas a esses episódios e, inclusive para a ideia da eternidade relativa de uma Consciência Integrada em três aspectos, compondo à imagem e semelhança da S. Trindade.

A salvação da “personalidade de alma” seria devida, aos três aspectos da consciência integrados, ou, uma Consciência Íntegra, a qual tenha suas qualidades originais em um nível aceitável no possível julgamento final.

Também podemos pensar que isso aconteça com a morte física. A perdição seria uma vida onde esses três aspectos estejam desintegrados. Esta última ideia está de acordo com os Ensinamentos da Filosofia Huna (12.000 a. C.). Personalidade de alma é o resultado da ação da Consciência interagindo com o Físico no acúmulo de conhecimentos, nas atitudes, nas ações, e seus resultados objetivos e subjetivos.

Portanto se forem verdadeiros os conteúdos dos parágrafos anteriores, que consistem em: “o reino dos céus está dentro de vós” e que, nossa Consciência apresenta os três aspectos à imagem e semelhança de Deus, e então refletem a Trindade Divina, a única maneira de nos comunicarmos com o Eterno para receber orientação é através da Integração da Consciência que pode ser obtida por uma introspecção profunda, e que nos tempos de Jesus se expressava como: “Vivei em oração” e, “Orai pelos vossos inimigos”. Essa condição dá paz e tranquilidade, permitindo a ligação com o “reino dos céus” por sintonia resultante da harmonia com todo Cosmo, seria um “Estado Alterado de Consciência”.

Nessas expressões do Senhor Jesus, estão  englobados os mandamentos que constituem a Lei Áurea dos Evangelhos que são: “Ama a Deus sobre todas as coisas e, ao próximo como a ti mesmo”, os quais coincidem com as regras básicas da Filosofia Huna (12.000 anos a. C.) que diz:- Respeite ao “Espírito Paternal” que também era denominado “O Pai”, e “É preciso mudar de padrões e valores”, (uma conversão) e ainda, “É preciso compartilhar o amor”, referindo-se, é lógico, a uma “conversão” de valores e fatores emocionais controlados pelo Espírito, o que permite a vida em paz em uma comunidade.

Obedientes a essas regras, ou, mandamentos, a integração dos três aspectos da Consciência é manifesta quando o Nível Consciente da Consciência (Eu Médio) que, tem a capacidade de ser arbitrário, ultrapassa as barreiras psicológicas do Eu Base (Consciência da parte Física), da qual faz parte o Subconsciente e, então entra em contato direto com o Eu Superior, ou, o aspecto “o Pai que em mim opera as obras”, conforme expresso por Jesus em João 14, e que está de acordo com a Huna.

O subconsciente é representado pelas memórias genéticas, memórias adquiridas e desenvolvimento da personalidade como somatória de todos os reflexos inatos e adquiridos que podem ser modificados pela ação consciente do Eu Médio. O Eu Médio, parte consciente da consciência, é assim denominado por intermediar o eu Base e o Eu Superior, Superconsciente ou Supra Consciente.

A expressão do Temperamento é devida às alterações nas reações bioquímicas que são comandadas pelas Emoções que influem no Sistema Nervoso Central, o qual está diretamente ligado às glândulas secretoras e seus efeitos através dos hormônios produzidos.

O Temperamento é de ordem genética, mas pode ser controlado pelo “Espírito”, isto é pela educação e conscientização dos enfoques mentais que resultam no Caráter. O Caráter básico pode se manifestar através da Personalidade, que mediante o seu papel de ajuste ao ambiente e às condições sociais, pode se apresentar com várias facetas (Persona=Máscara). Assim sendo, Um indivíduo de Caráter e Personalidade firme, não muda muito a Persona.

A Integração do Eu Médio com o Eu Base se dá pela introspecção, reflexão e conscientização de que as condições do lado animal podem ser controladas pelo Consciente equilibrado para viver em sociedade, obedecidas às condições de Respeito ao Próximo.

O respeito ao próximo se caracteriza pela isenção de Ofensas, Injúrias e Prejuízos Causados a terceiros, pois estes são os pecados e que, trazem Tensões na Consciência. Tensões na Consciência resultam em Desequilíbrio Energético e doenças, que se não forem resolvidas em suas causas, se convertem em enfermidades, de onde se confirma à expressão do Senhor Jesus: “o salário do pecado é a morte”.

Contrariamente, as condições de respeito à Divindade Maior e, para com divindades menores como nós, nos dão a condição de paz profunda que permite o contato com o Eterno e as possibilidades de orientação subjetiva.

Segundo a tradição polinésia, O Eu deus menor, individual, Kane segundo a Huna, e denominado Eu Superior, ou, Superconsciente pela psicologia moderna, entra em sintonia com Kumulipo, O Eterno segundo a Huna, quando o Eu Médio, ou, Consciente, atravessa as barreiras psicológicas do Subconsciente que é parte do Eu Base e, integra-se ao Eu Superior.

 As condições para que nos livremos dos bloqueios psicológicos é expressa pelo Senhor Jesus:- “arrependei-vos de vossos pecados” e, também “não peques mais”.

A manifestação do Eterno deve se fazer por sintonia Mental, segundo Paulo em 1ª Epistola aos de Corinto, Capítulo 2, verso 16. “Quem conhece o Senhor para que possa instruí-lo”? “Mas todos nós podemos dispor da Mente de Cristo”. Certamente os Enfoques Mentais do Senhor Jesus expressos em seus, conceitos e parábolas indicam todas as condições para que a devida harmonização interna possa se realizar e depois se expressar de modo objetivo, com a presença de um Intelecto Equilibrado que manifeste o Bom Senso.

Bom Senso é a expressão das condições de honestidade, pureza na intenção e bondade na conduta de um intelecto instruído e equilibrado. Assim sendo, Bom Senso deve ser a manifestação da presença de um Espírito Santo, referido por Paulo em sua expressão: “Enchei-vos do Espírito Santo” e, “Vós sois os vasos do Espírito Santo e, a cada um cabe tornar-se vaso de honra, ou, vaso de vergonha”, segundo o modo de uso do livre arbítrio.

O E. S. é a causa das manifestações do Poder Que Vem de Dentro. Ter Bom Senso significa saber usar bem o pouco que se sabe. É usar o intelecto para produzir algo que seja lógico e razoável, cuidando de que seja provável, dentro do espírito criativo e construtivo, com honestidade de propósitos para o que for puro, limpo e bom. Na Huna o Homem Integrado é denominado Kanaloa, quando se for pragmático é psiquicamente eficiente.

Considere-se que o Bom Senso pode ser usado nas mudanças de perspectiva para encontrar o verdadeiro significado das informações que, muitas vezes são dadas de modo hermético, não às claras, usando-se o mesmo para esclarecer qual o entendimento e a compreensão que mais se aproximam da realidade que se espera dentro do conhecimento científico. Mudando-se o rumo da percepção e dando condição de expansão de consciência, podemos experimentar mudar conceitos firmados anteriormente. Kane, o Eu deus menor, completo pela presença da Divindade Maior que o Orienta, era denominado Kanaloa, há 12.000 a. C.  quando o mesmo está ligado à Deus.

Adendo para melhor esclarecimento: Recebendo informação, procuramos Entender o seu significado. Um Sistema Nervoso tem consciência quando decodifica o significado de uma informação que lhe é dada. Entender é perceber o conteúdo lógico da informação dada. Cada tipo de Sistema Nervoso tem um nível consciência e, mesmo os de mesmo tipo.

Devolver a informação sem distorções significa ter memória e inteligência básica. Ex. Decorar trechos de escrituras e repetir sem falhas, poesias, história, geografia, ou fórmulas matemáticas, etc. Saber fazer a discussão das causas ou motivos com dedução e indução é Inteligência Lógica Racional. Saber mudar perspectivas para abstração é I. Superior.

Toda informação pode ser passada sob uma Perspectiva, sob um ponto de vista.

A perspectiva determina a compreensão do que foi entendido. Compreender significa aceitar como verdadeiro o entendimento. A compreensão que é obtida determina o rumo da Percepção. O Rumo da percepção dá o Nível de conscientização. Mudar perspectiva muda o tipo de compreensão, esclarece o Nível de Razoabilidade do que foi conscientizado.

Questão: Se mudarmos a perspectiva em que a informação foi passada, mudamos a Compreensão e, tudo o mais. Mudar perspectivas é um jogo intelectual avançado para nos livrar de Crenças Limitantes. O Homem pensa por Conceitos. Crenças Limitantes são conceitos estabelecidos e sugeridos por líderes sociais e ou, religiosos e, de modo inocente, ou não, são usados na sujeição de pessoas de geração para geração, pois a maior massa em evolução ainda é Instintiva e Emocional e, a Razão não se adquire em loja, é com Esforço e Tempo.

Alberto Barbosa Pinto Dias, Bacharel em História Natural (todas as Disciplinas Biológicas e Geológicas), Licenciado, Especialista. USP, 1955.

Postado em : Fenômenos Psíquicos e Tecnologia Atual

Deixe sua mensagem

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

.