06º – Reflexões Básicas Para Aficionados em Psicologia

06º – Reflexões Básicas Para Aficionados em Psicologia

Reflexões Básicas Para Aficionados em Psicologia VI

Os Circuitos Impressos No Cérebro (soft)

Devido aos grupos de atividades desenvolvidos pelos humanos, tem-se a impressão de que basicamente deve haver pelo menos oito circuitos neurológicos integrados e desenvolvidos evolutivamente, dos quais alguns estão em atividade por força das circunstâncias e outros inativos, com ou sem potencial de desenvolvimento. Considere-se ainda que a estimulação possa acarretar novos tipos de integração entre os circuitos neurológicos. Insisto aqui que o Sistema desenvolvido pelos Havaianos (Huna) é eficiente para esse tipo de desenvolvimento.

A metade dos oito circuitos neurológicos que está ativa está relacionada com o lado objetivo, de Ego, são adaptativos e são necessários à sobrevivência, portanto com os níveis de consciência voltados ao ambiente. Os menos capazes, neste aspecto, não sobrevivem se não forem protegidos. Perdendo a proteção de qualquer nível ou circunstância reagem emocionalmente, como qualquer criança reagiria ao perder o doce. São os circuitos neurológicos que permitem todo tipo de atividade primitiva relacionada com sobrevivência e domínio territorial onde entram a emoção, sentimentos de posse, perda, segurança e insegurança. As tentativas primárias de ação e mesmo de reação são de domínio e de submissão.

Em uma estrutura já organizada, a submissão e a concordância são absolutamente necessárias para que o novo adepto a um grupo se firme e se fortaleça, antes de manifestar ideias próprias. Como exemplo, um senhor meu conhecido, se firmou como Regente do Coro de uma Igreja Evangélica bem tradicional em São Paulo por 24 anos. Depois como diácono, já mais idoso, dirigia os estudos em uma classe de Escola Dominical e comentava os pensamentos de Buda, associados aos de Jesus, na maior tranquilidade e aceitação.

Os mais evoluídos dentro deste aspecto, ainda bem terrestre, dominam de certa maneira os símbolos da comunicação e da interação com o meio ambiente, desenvolvendo a Semântica.  Aqui a arte de dominação pela impressão é mais refinada, a fantasia e a hipocrisia podem ganhar relevo, bem como a arte de impressionar emocionalmente o homem natural, mais simples e Emotivo, bem como o homem carnal emotivo, mas intelectualizado, uma vez que este último (o carnal) como manipulador no jogo das emoções é susceptível ao próprio veneno.

A comunicação simbólica é feita por meio de imagens fortes, onde entram, ou prêmios de todo tipo como “quem quer dinheiro?”, alimentação, vestuário, casa própria, segurança e saúde, ou ainda, ao contrário, o castigo, a dor, sangue, sacrifício, sofrimento, brutalidade etc., de modo a impressionar o lado emocional do homem natural que se apraz com afagos e alimento, e o emocional do carnal que se apraz com cargos e funções de projeção social, depois de satisfeita a necessidade de prazer com segurança. É uma versão moderna do converter pedras em pães, ocupar o pináculo do templo e culminar com a adoração do demônio (Ego) para alcançar os cargos eletivos e o poder.

Ao homem Espiritual deveria bastar o profetizado:- “nem só de pão vive o homem (dirigido ao lado físico)… Não tentará o Senhor teu Deus… (dirigido ao lado Mental)… Somente a Deus adorarás e prestarás culto“, (advertência ao lado Espiritual), e com isso despertar os circuitos neurológicos superiores, que são introspectivos, mais voltados para o Eu Superior do que para o Ego.

Ninguém é inteira e completamente espiritual daí o discípulo e apóstolo Mateus registrar: “digno é o obreiro do seu salário”, justificando e garantindo o sustento do lado material bem como o domínio de território, de todo aquele que pretendendo ser mais espiritual, escolheu conduzir os demais com o seu ”Mapa de Realidades” e ao seu próprio nível de espiritualidade, como são alguns líderes religiosos.

Outro circuito neurológico associado com consciência, inteligência e impressões egóicas, é o que estabelece as relações entre a necessidade de orgasmos e o consequente acasalamento bem como seus resultados, a reprodução e o cuidado com a prole.

Como essas consequências implicam em sobrevivência, surgem os conceitos de proteção ao indivíduo e à família como uma necessidade, do próprio grupo. Para maior proteção as famílias se reuniam em bandos e tribos.  A “moral tribal” tem seus efeitos como a ordem e a organização, bem como um comportamento ético que garanta o bom relacionamento entre os membros da organização.

Historicamente as Igrejas funcionavam como núcleos de defesa de pessoas, grupos e famílias, substituindo em última análise a organização tribal e sua moral. Na medida em que as Igrejas foram perdendo a sua função social, devido o conluio de suas lideranças com o poder dos reis e seus exércitos, pregando o conformismo, surgiram as “reformas”.

Agora, os grupos de renovação carismática são os avivadores das congregações de membros acomodados, bem como as “células”, ideia que já serviu aos propósitos socialistas anteriormente, hoje cumprem sua função social-religiosa na formação de núcleos menores de pessoas em torno de um ideal, pessoas que possam se conhecer melhor, se apoiem e se ajudem. Todas essas modificações ocorrem naturalmente, periodicamente, como uma reação natural da massa às diferentes pressões de qualquer tipo de “elite”.

Aqueles que ainda não souberam se integrar conscientemente em estruturas como as anteriores, e onde se discuta abertamente os problemas sociais, são um prato feito para os candidatos a cargos eletivos de qualquer natureza, com suas promessas, para este mundo, ou, para “outro mundo” a ser alcançado após a morte.

Neste mundo os executivos populistas ganham adeptos sem maiores compromissos do que destinar cestas básicas e arrumar um “teto” para os desesperados que tenham direito a voto, a custa do dinheiro dos impostos recebidos de terceiros, sem esquecer que quem parte e reparte e não fica com a melhor parte ou é bobo ou não entende da arte, ”curva-te perante mim e dar-te-ei a chave das cidades…” é o conselho seguido pela maioria consciente ou até inconscientemente, seja rei ou presidente de qualquer república ou convenção nacional de qualquer tipo.

As promessas em relação ao outro mundo são mais simples, e convenientes, pois depende apenas de retórica e fantasia, o que estimula o número de atuantes nesse mercado. Joaquim Toledo, um bom homem, muito simples, músico sensível, me relatou que foi convidado a participar de reuniões religiosas, onde após a mesma serviam uma refeição agradável. Depois da terceira reunião, com muita alegria e a refeição, veio a cobrança… A realidade. Sendo muito pobre, desistiu dessa salvação onde o arroz com o feijão ficaria mais caro com o dízimo, impossibilitando a agradável fraternidade.

 

Alberto Barbosa Pinto Dias, Bacharel em História Natural (todas as Disciplinas Biológicas e Geológicas), Licenciado, Especialista. USP, 1955.
Qualquer questionamento sempre será bem recebido e respondido.

Postado em : Aficionados em Psicologia

Deixe sua mensagem

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

.