04º – Reflexões Básicas Para Aficionados em Psicologia

04º – Reflexões Básicas Para Aficionados em Psicologia

Reflexões Básicas Para Aficionados em Psicologia IV

 

INTELIGÊNCIA – Dizemos que há inteligência em um sistema quando a informação que é recebida e decodificada, com percepção do sentido lógico da informação, é retransmitida com exatidão. Isto depende em primeiro lugar de uma boa “impressão”.  Depois a retransmissão isenta de “interferências” e bloqueios.

Operacionalmente, o sistema é considerado inteligente quando devolve exatamente a informação recebida. Um computador é uma máquina inteligente, pois não tem preconceitos ou emoções que modifiquem a devolução da informação.

Nos seres humanos a capacidade de impressão depende de vários fatores, como nível de energia, interesse (motivação) e atenção como consequência de estar com todos os sentidos voltados para captar as impressões. Devemos considerar ainda as limitações estruturais de fundo genético bem como as de fundo nutricional, de treinamento, e de desgaste neurológico com stress e ou com a idade.

Aparentemente o cérebro apresenta áreas funcionais distintas: Psicomotora e Motora. Áreas sensoriais tais como a área táctil, a área visual, a área auditiva, área olfativa e área gustativa. Em cada uma das áreas sensoriais distinguimos três zonas de função distinta: 1. Primária 2. Psíquica e 3. Gnóstica.

A primária recebe as impressões dos órgãos dos sentidos sob a forma de pulsação eletroquímica. A psíquica realiza a percepção, decodificando o estímulo, sendo que a decodificação pode ser alterada por impressões anteriores(preconceitos). A Gnóstica processa as reações de memória, armazenando as impressões no banco de memória, ou, subconsciente, perfazendo conotação com os preconceitos.

Cada Impressão armazenada é um ponto de referência, ou, uma ideia. A associação das ideias é feita no lobo frontal, resultando nos pensamentos.

A velocidade de processamento desses dados pode variar em cada diferente Área, daí distinguirmos inteligência linguística que depende da área auditiva e da motora mostrando um talento especial para a palavra escrita e falada.

Inteligência Musical além da função auditiva entra a capacidade de perceber e criar sistemas de tons e ritmos. Esta poderá estar associada à Inteligência do Movimento no instrumentista.

A Inteligência Lógica mostra o talento do raciocínio linear, para lidar com uma longa cadeia de raciocínios, simples ou complicados.

Inteligência Matemática em que entra a capacidade de visualização e do entendimento lógico para números e quantidades abstratas.

Inteligência do Movimento físico (visualização e motricidade).

Espacial Profunda, visualização em três dimensões de figuras geometricamente definidas, ou de outras da natureza. Percepção e Criatividade.

Intrapessoal e Interpessoal, como capacidade de autoanálise e ou de análise de terceiros, visando entender o comportamento, os sentimentos, as emoções resultantes, e as motivações das pessoas.

A Inteligência intrapessoal e a interpessoal não podem ser medidas por testes de Q.I. Assim sendo testes vocacionais não são válidos para indicar quem deve ou não deve estudar psicologia.

O Psicólogo já nasce como psicólogo. É um Dom. Os demais vão estudar psicologia para ver como poderiam resolver problemas pessoais, dentro do enfoque de alguma escola psicológica, ou potência.

São quatro as potências: Psicanalista, Condutista, Humanista e Transpessoal. Jesus deu a impressão de ser predominantemente Transpessoal, manifestando aplicação de tudo o mais.

Segundo Ebert Gardner (Harvard-EUA), a maioria das pessoas tem um misto de todos os tipos de inteligência, mas predomina pelo menos um, podendo ser predominante em mais do que um.

Quando conversamos com uma pessoa, deveríamos saber qual o tipo de inteligência predominante para melhor se comunicar, e por isso, muitas vezes comunicar melhor é somenteouvir, até que se defina de que tipo a pessoa interlocutora é, bem como qual são as suas convicções.

Em uma plateia não selecionada o universo é bem maior e diversificado. O sucesso da comunicação depende da sensibilidade do comunicador.

Em uma plateia forjada, escolhida, ou qualificada, é só repetir aquilo que aprenderam que já está Impresso e gostam de ouvir, sem mais esforço de raciocínio, como as variações em torno de um mesmo tema, que exigem menor esforço intelectual. Assim são as plateias cativas, com adeptos sujeitos e contribuintes nos Sistemas Organizados de forma arbitrária, como nas Religiões e Ordens com estudos sistemáticos.

Alberto Barbosa Pinto Dias, Bacharel em História Natural (todas as Disciplinas Biológicas e Geológicas), Licenciado, Especialista. USP, 1955.
Qualquer questionamento sempre será bem recebido e respondido.

Postado em : Aficionados em Psicologia

Deixe sua mensagem

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

.