04º – Fé, Crença, Religião e Milagres – As doutrinas expressas por Jesus

04º – Fé, Crença, Religião e Milagres – As doutrinas expressas por Jesus

Fé, Crença, Religião e Milagres

Huna, Xamanismo, Habilidades Psíquicas e Fenômenos Resultantes.

As doutrinas expressas por Jesus. Analisando os Evangelhos, lemos nas escrituras dos discípulos e depois, nas cartas e comentários do Apóstolo Paulo, que nas palavras atribuídas a Jesus se observam dois níveis de doutrina.

Jesus disse a seus discípulos: “a vós é dado entender o que a outros não é dado entender”. Está claro que ao povo em geral alguma coisa não foi ministrada e nem escrita. Também está claro nas Escrituras que os discípulos receberam outro nível de ensinamentos, uma doutrina reservada, e a partir de certo momento da Iniciação alguns passaram a mostrar habilidades psíquicas. Não há nada escrito na Bíblia editada.

Os demais discípulos, bem como o povo em geral, ficaram com um nível de doutrina mais simples, representado pelas parábolas e instruções teóricas a respeito de ética e moral. Não há na Bíblia instruções que levem às habilidades psíquicas apresentadas pelos profetas, por Jesus, e depois, pelos discípulos que a as alcançaram. Convém investigar o que pode haver a respeito desse assunto desde há 13.000 anos, antes dos profetas bíblicos, de Jesus e de seus discípulos.

As parábolas e demais instruções teóricas foram perpetuadas nos Evangelhos, e comentadas pelo Apóstolo Paulo, sendo a fonte para os discursos e pregações ouvidos hoje em dia nas reuniões cristãs. Os pregadores que assim procedem, têm razões que justificam a falta de “milagres”, apesar de que a instrução observada em João Capítulo 14, principalmente no v. 12, torna incoerente qualquer uma dessas justificativas.

O Conhecimento que seja percebido de modo parcial permite filosofar e tirar conclusões que obedeçam aos limites desse conhecimento. A consequência é a de qualquer pessoa pode pretender ensinar o como e o porquê daquilo que acredita, e acha que conhece tudo. Podemos perceber essa perspectiva ao ouvir os ensinamentos nas Igrejas Cristãs e nos Seminários Teológicos.

Deus em qualquer denominação religiosa é Incognoscível, Inconcebível e Inescrutável. Tomando essa verdade como ponto de partida, os teólogos são especialistas em pelo menos um Dado Principal que todos eles e nós ignoramos. Teo = Deus; Logos = estudo; Teologia = Estudo do Incognoscível, se é que isto seja possível.

 Como ainda estamos evoluindo psiquicamente, e há pessoas em todos os níveis de evolução psíquica, há as que se contentam em seguir fantasias. Outras acompanham e discutem intelectualmente filosofias. Outros se contentam com a descrição do poder de terceiros, mais a filosofia que tenta explicar os fatos com pressuposições, mas sem nunca ver a ação correspondente.

Também há aqueles que procuram lugares aonde possam ver fenômenos psíquicos e ouvir a respeito da filosofia que os explique, mas todos procuram locais onde haja alguma filosofia que sustente as promessas de um futuro melhor em outra dimensão, porém todo futuro é apenas uma suposição baseada em pressuposições.

Outras pessoas ainda procuram aonde que, além da filosofia, haja uma prática para desenvolvimento das suas próprias ações em nível subjetivo, tidas como ações espirituais. Se a busca é relativa a um desenvolvimento psíquico e espiritual, as pessoas que buscam devem ter em mente que “A eficácia é a medida da verdade”, e a busca deve ser onde haja prática e efeitos práticos e eficientes no aqui e agora como o Senhor Jesus o fazia em seu tempo.

Infelizmente as crenças limitantes instaladas em tenra idade dificultam ao adulto a aceitação e o entendimento de novas informações. Equivoca-se quem pensa que novas ideias e pensamentos mudam a realidade de qualquer pessoa que tenha Crenças arraigadas. A mudança de ideias e de pensamentos ocorre pela verificação de resultados de experiências pessoais que sejam eficientes.

Na ansiedade da busca de novas informações eficientes podemos errar, pois há locais sem práticas, e outros com práticas e explicações pouco prováveis ou mesmo improváveis.

O maior equívoco está em se prender a rótulos, denominações, promessas e aparências dos que ocupam cargos e funções nesses locais, perdendo-se o rumo da essência dos fenômenos básicos da espiritualidade, pois eles podem ser superados pela maior importância dada às normas, princípios, fundamentos e estatutos dos Sistemas Organizados de forma arbitrária.

Consideremos que as Crenças surgem a partir de pressuposições que geram as Filosofias de diferentes níveis de intelectualidade e conhecimento, e por essa razão há muitas Crenças. Muitas pessoas são sinceras e desejam melhorar a humanidade pregando a mensagem dos Evangelhos de Jesus, mas desconhecem a possibilidade de habilidades psíquicas. Também há as pessoas que ambicionam liderar grupos e manifestar algum tipo de poder sobre o pensamento do próximo, o que pode significar algum tipo de vantagem.

Jesus dá a medida para separação do joio do trigo:- “Pelos frutos os conhecereis”. Em outras palavras: Pela conduta os conhecereis: Onde o líder põe a mão, constrói, ou, destrói? Ajunta, ou, espalha? Pelo visto a conduta individual dá a medida da salvação e não esta, ou aquela determinada religião adotada e defendida.

Há grupos que adotam Filosofias e as convertem em Sistemas Organizados como Religião, ou, Ordens, ou grupos de estudo, mas há as situações relativas às habilidades psíquicas que não podem fazer e não sabem explicar. Pela ignorância as atribuem ao mal.

Quem não usa dogmas impõe Fundamentos, ou, Estatutos, mas todos fazem discursos. Quem não consegue ter autoridade completa e obediência de todos, e não pode usar força, usa a política da desvalorização do questionamento intelectual de terceiros.

Os discursos ouvidos de modo geral valorizam o emocional diante das massas, e impressionam os 70% de pessoas com menor capacidade de entendimento, fazendo prevalecer sugestões obtidas mediante emoção em detrimento da razão. Têm sucesso com a desinformação, e com produzir emoção e a alta sugestibilidade dos instintivos-emocionais de raciocínio básico, ou exercendo autoridade sobre os imaturos.

Cada uma das religiões é caracterizada por um conjunto de normas, princípios, às vezes dogmas e rituais, outras vezes fundamentos, sugeridos por uma liderança que mantém as pessoas unidas por uma filosofia normatizada como crença, e controlados por um Estatuto onde há uma hierarquia em um suposto regime democrático.

É por essa razão que podemos considerar que as religiões não salvam. Quem se salva é porque aceitou uma Filosofia de Vida onde, os conceitos de moral e ética modelam um comportamento, que devido à conduta produz uma perfeita e profunda paz interior. O estado mental de paz profunda produz um equilíbrio energético, e, sem tensões na Consciência, o adepto está salvo do stress e das moléstias e enfermidades que são a consequência do desequilíbrio na Consciência.

Afora isso, com a paz interior, há facilidade na introspecção. Pela prática da introspecção há uma progressiva integração do Consciente com o Subconsciente, melhorando as lembranças durante a reflexão. Como os humanos dispõem de memória, as lembranças permitem a conscientização de condutas errôneas que produziram ofensas, injúrias e prejuízos causados a terceiros (nosso próximo).

Arrependimentos e reparações livram-nos desses pecados, e rompidas essas barreiras psicológicas, nos integramos com o Pai, Espírito Paternal que nos protege e que é o aspecto de nossa Consciência herdada do Divino, e que nos permite contato com O Mesmo. Com essa integração da Consciência em seus três aspectos, e salvos pela integridade de Consciência, depois da morte seguimos para um nível de eternidade relativa para a personalidade de alma? (segue: – buscando o entendimento global, mudando perspectivas).

Alberto Barbosa Pinto Dias, Bacharel em História Natural (todas as Disciplinas Biológicas e Geológicas), Licenciado, Especialista. USP, 1955.

Postado em : Fenômenos Psíquicos e Tecnologia Atual

Deixe sua mensagem

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

.