03º – Introspecção e Paz Profunda – Avaliação Ética

03º – Introspecção e Paz Profunda – Avaliação Ética

Introspecção e Paz Profunda

Avaliação Ética

Muitas vezes o adepto de processos de autoconhecimento, quando consciente, busca uma avaliação ética pessoal durante a introspecção. Esse tipo de percepção, apesar de desejado, não pode ser desenvolvido além de uma maior sensibilidade a esse aspecto do EU, que é ter e assumir a própria Consciência como Senhor da sua própria Censura.

Aquele que escolheu o caminho da religião tem parâmetros dados por terceiros, alguns emitidos pelo Avatar que é o dono da filosofia de vida que foi convertida em religião, e outros parâmetros como as normas e os princípios próprios de cada religião, estes elaborados pelas respectivas lideranças que organizaram o Sistema de forma arbitrária.

O problema é quando algum adepto tenha uma conduta hipócrita, porque acredita que já está salvo por algum sangue derramado, esquecendo-se de algumas das ideias e pensamentos éticos, pelos quais o sangue tenha sido derramado, e moldando a sua própria ética e moral a uma conveniência de norma legal personificada.

Para o indivíduo, já no caminho da autoconsciência, basta que ele dê importância a qualquer manifestação dessa Consciência Interna, por mais fraca que seja, para que haja eficiência na avaliação ética. Deixar de ouvir essa voz interna, é desejar se converter no “sepulcro caiado”, como foi advertido pelo Mestre Jesus aos seus discípulos.

Todos erram por equívocos, mas a melhor medida é estar atento para errar menos. A maioria das pessoas só dá atenção ao problema quando a manifestação da consciência é gritante e incomoda e muitas vezes já é tarde demais para voltar atrás, sendo difícil reparar o erro.

Qualquer espiritualista sincero, independentemente do caminho escolhido, torna-se progressivamente mais sensível a essa voz interior. O progresso no desenvolvimento da espiritualidade, bem como o aumento da percepção pelo aumento da sensibilidade, dependem de que, qualquer problema relacionado com a Ética, como sendo o respeito ao próximo, por exemplo, seja resolvido em harmonia com essa Voz Interior e o tipo de sentimento que ela causa. Daí a assertiva: “ama a Deus, e ao próximo como a ti mesmo”, pois, o inverso pode resultar em desarmonia e desequilíbrio pessoais.

Finalmente, na busca da sensibilidade ética deve haver harmonia e equilíbrio, sejam essas qualidades desenvolvidas pelo princípio autoconsciente, ou pelo sentimento religioso intuitivo como é a fé (ética), ligada ou não a alguma crença (moral eventual).

Na busca da conscientização através do caminho filosófico, onde predominam a razão com seu mecanismo lógico, racional e analítico, é preciso cuidar para não se perder a sensibilidade ética, como aqueles que trabalham em ciência e que desenvolvem armas de destruição da natureza e da humanidade, baseados em alguma moral tornada legal por consenso cultural.

Na busca da conscientização através do processo místico, religioso ou não religioso, é preciso cuidar para não se perder o aspecto lógico da razão filosófica, pois podemos perder o senso crítico e esquecer o aspecto analítico que favorece o desenvolvimento da inteligência. Esta permite que a consciência tome os aspectos de individualidade em suas percepções, construindo a personalidade de uma alma.

É por essa razão que os alquimistas que são místicos e esotéricos, em sua busca, oscilam entre a mística, com ou sem o mistério da religiosidade, e a precisão científica da lógica e da razão. Já os místicos puramente religiosos não têm essa chance, pois, são limitados pelos fundamentos de suas crenças, desconhecendo o aspecto cientifico e perdendo parcialmente a liberdade de espírito.

A Verdadeira Paz Profunda que resulta de uma conscientização com perfeita harmonia interior permite estabilidade e equilíbrio físico, emocional, mental e espiritual. A saúde é a consequência desse trabalho construtivo do EU, benéfico e eficiente, marca registrada dos seres criativos e construtivos que vivem a imagem e semelhança do Pai, que em cada um de nós opera as obras quando os alicerces são a honestidade, a bondade e a pureza nas intenções.

Alberto Barbosa Pinto Dias, Bacharel em História Natural (todas as Disciplinas Biológicas e Geológicas), Licenciado, Especialista. USP, 1955.
Qualquer questionamento sempre será bem recebido e respondido.

Postado em : Introspecção e paz profunda

Deixe sua mensagem

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

.