02º Introdução ao Estudo da Telepatia

02º Introdução ao Estudo da Telepatia

02º Introdução ao Estudo da Telepatia

É interessante lembrar que os padrões de comportamento ético bem como os padrões de moral foram convencionados por um grupo cultural e dependeram do tipo de Filosofia, ou de uma Religião a partir de uma Filosofia, que tenha sido predominante em cada época e local. Também dependeram dos interesses e dos acordos entre lideranças religiosas e governos em cada etapa da evolução social.

É assim que pessoas que apresentassem qualidades de percepção ligadas à leitura de pensamento ou de cura de doentes e enfermos foram taxadas de bruxos pelos líderes religiosos medievais, que eram impotentes para tais fenômenos. Os melhor dotados foram afogados, mortos e queimados, como se fossem do mal, apesar de apresentarem o mesmo tipo de ação que Jesus o Cristo apresentou, e que, em seu tempo, também foi morto por recomendação de sacerdotes. Quem está certo? Quando e por qual razão?

Apesar do surto de estupidez humana ser ocasional, temporal, mas repetido como gripe até que amadureça psicologicamente, sabendo conviver com as incertezas. Se for para o bem da humanidade, o homem também tem a tendência de repetir comportamentos e experiências, que de algum modo deram certo. “Aquele que acredita em minhas palavras fará as coisas que eu faço, e coisas maiores do que estas farão”. (Jesus). Curioso que as lideranças religiosas passem por cima deste versículo, por incompetência, ou ignorância de como fazer.

Assim, em todos os sentidos, o homem observa e imita os mais idosos e os mais antigos naquilo que o interessa, e havendo capacidade, tenta ultrapassá-los, ou, materialmente, ou, intelectualmente, ou ainda em ambos os aspectos, dependendo dos seus valores básicos e de sua capacidade de percepção e de expansão de consciência. A tradição de crenças não limitantes em seu ambiente de desenvolvimento e a disciplina com persistência é fundamental para que tenha sucesso em suas imitações.

A repetição de gestos, atitudes, palavras, ou, “chavões” como frases feitas, gera automatismo e condicionamentos. Todo automatismo por um processo neurológico poderá evoluir para um Estado Alterado de Consciência. A neurolinguistica estuda as alterações na fisiologia nervosa em função das palavras e a sugestibilidade consequente.

Um estado alterado de consciência pode ser entendido como “um estado de espírito”, quando então, observaram alto grau de sugestibilidade e grande facilidade para registrar informações no nível do subconsciente, sem que haja a devida análise crítica. Aproximadamente 75% das pessoas são sensíveis a esse processo. Destas, 25% muito sensíveis e 3% extraordinariamente sensíveis.

Estas últimas, quando bem treinadas e orientadas, podem ler pensamento com facilidade, perceber fatos que ocorrem à distância, ter visões relativas à sua própria realidade, ou relativas à realidade de terceiros e até mesmo premonições. Alguns dotados, mas sem conhecimento de causa, costumam atribuir suas qualidades à “espiritualidade” pessoal e à religião que professam, ou ainda a alguma prática em particular associada a uma filosofia, mas pode não tem nada a haver.

É comum observar essa fenomenologia onde haja danças ritualísticas, récitas e cânticos repetitivos, posturas repetidas com fixação de imagem (mandala) e repetição de sons (manthras), ou ainda relaxamentos prolongados seguidos de sugestões. Não importa qual a crença do indivíduo, pois a simples repetição continuada de preces estereotipadas em introspeção, também gera estados alterados de consciência.

Somando-se esclarecimentos com treinamentos adequados, poderemos desenvolver hiperestesia, aumento de intuição, aumento da capacidade de concentração, de memória, de imaginação e criatividade, alívio de stress, que em conjunto representam maior eficiência no trabalho, além de um reforço do Ego que resulta em mais segurança pessoal, autoconfiança sem nenhum tipo de conotação religiosa.

No entanto, os resultados práticos podem tornar a pessoa mais eficiente na religião que pratica se pratica, quando pratica. (direitos autorais reservados).

Alberto Barbosa Pinto Dias, Bacharel em História Natural (todas as Disciplinas Biológicas e Geológicas), Licenciado, Especialista. USP, 1955.

Qualquer questionamento sempre será bem recebido e respondido.

[vc_row full_width="" parallax="" parallax_image=""][vc_column width="1/1"][vc_facebook type="standard"][/vc_column][/vc_row]

Postado em : Telepatia

Deixe sua mensagem

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

.