Atividade Psíquica Além do Corpo – 02 – Associações de Conceitos

Atividade Psíquica Além do Corpo – 02 – Associações de Conceitos

Atividade Psíquica Além do Corpo

Associações de Conceitos

Podemos conotar a psicologia da tradição oral dos havaianos ancestrais com os conceitos psicológicos do ponto de vista do cristianismo que está expresso pelas palavras do Senhor Jesus e sob a ótica do filósofo e apóstolo Paulo.

No Homem tipo Natural predomina o Eu Básico e suas ações Físicas.

No Homem tipo Carnal predomina o Eu Médio e seu intelecto controlando o Eu Básico, mas tendo apenas noção da existência de um lado espiritual a ser trabalhado e alcançado.

No Homem tipo Espiritual predomina o Eu Superior e suas ações integradas com os outros dois Eus, funcionando o talento da Visão e da Intuição como evidencias da Consciência Superior e as faculdades hiperestésicas. Também permite as projeções de energia à distância permitindo observar seus efeitos objetivos em vegetais, animais e ou subjetivos em pessoas. Discerne e entende como a Ignorância é o maior desafio dos Homens.

Também podemos entender porque alguém (consciência lógica) vai ao Pai (consciência superior de origem divina) se for através do filho, o físico e seu aspecto subconsciente da Consciência, livres de pecados, ou melhor, sem as barreiras psicológicas que são criadas pelos atritos causados por ofensas, injurias e prejuízos causados a terceiros.

Grosso modo, a nossa Consciência aparenta apresentar três aspectos, de modo que todas as Escolas de Psicologia, ou, relativas à parte da Filosofia que estuda a Psicologia, são baseadas no nível de percepção da existência dos três Eus (Selves), que poderiam representar um reflexo da Trindade em cada individualidade.

Os nomes são dados aos três aspectos da Consciência de acordo com o entendimento na perspectiva de quem acredita que descobriu: Ego, Id, Superego; Adulto, Criança, Pai; Pai, Filho, Espírito Santo; Consciente, Subconsciente e Superconsciente da nomenclatura oficial da psicologia. Eu Básico, Eu Médio, Eu Superior da psicologia dos primitivos polinésios, que viviam a mais do que 12.000 anos, e mostraram considerável avanço na psicofilosofia muito antes das civilizações européias e de outras asiáticas, ou ainda, antes do Oriente Médio despontar como núcleos de psicoreligiosidade.

O Eu e a Projeção de Energia Quântica Conscientemente.

Algumas pessoas percebem que podem projetar uma modalidade de energia de alta frequência vibratória, entendida como sendo ação do supraconsciente, através de um enfoque mental subjetivo e que esta energia obedece a sua Vontade. A projeção só é possível se o Consciente, ou Eu Médio, estiver introspectivo trabalhando através do Banco de Memória, ou seja, influindo no denominado Eu Básico através de seus pontos de referencia subjetivos. Para você exercitar-se, estando introspectivo, imaginar que está a 5 metros de distância, em pé, ao lado de alguém, na medida em que você fisicamente está sentado em estado de total descontração e introspecção (relaxamento profundo e consciente).

O Eu Básico fornece energia de terceira dimensão e de mais baixa frequência vibratória (Energia Vital) que, muitas vezes se manifesta acompanhada de um extra de calor e que é proveniente das reações químicas vitais. Esta energia se converte em energia de alta frequência vibratória pela Consciência, a qual em “quarta dimensão” é identificada com o Eu Superior. Nesse caso a Energia Vital está sendo convertida em Energia de Alta Frequência por enfoque mental consciente, portanto, sob o comando do Eu Médio.

É no mínimo curiosa essa possibilidade de conversão de energia química em “calor” acompanhado de energia de nível quântico, quando projetada com desejo e sob o controle da vontade consciente. Ex: “Levantar o Kundalini” e projetar a energia com alguma finalidade desejada, através de um enfoque mental que tem como imagem o objeto receptor.

Assim, um enfoque mental subjetivo de ideia de calor, partindo do Eu Médio, pode obrigar o Eu Básico a produzir um extra de energia de baixa frequência, que é convertida em energia de alta frequência, e utilizada no nível do Supraconsciente. Este lida com um harmônico superior das oitavas que correspondem ao calor, agora já em quarta dimensão.

Essa energia pode ser direcionada para o cérebro de outra pessoa, através da visualização da imagem dessa pessoa, maneira pela qual se dá o “contacto mental” no nível de Supraconsciente. O receptor recebe as impressões devidas à onda quântica em nível de Supraconsciente (energia de alta frequência vibratória), que então, vai ser reconhecida como calor através da área psicosensorial do cérebro Parietal, no nível do subconsciente. O aspecto consciente da Consciência do receptor tem então a percepção de calor e de todas as sensações físicas relacionadas com calor nessa zona psicossensorial. É uma realidade interior como se fora procedente da realidade exterior.

Como o cérebro receptor decodifica essas impressões enviadas como se fossem recebidas na zona primária da Área do Tacto e reconhece como sendo calor, reage, e dependendo da intenção que regula a projeção, a pessoa que recebeu as impressões pode ter uma sudorese intensa como se estivesse na boca de um forno. Como o efeito é imediato, não importando a distância nem o tempo, podemos dizer que a energia projetada mentalmente se comporta segundo o conceito da movimentação dos taquions, como velocidade superior à velocidade da luz, como propõe a mecânica quântica.

Para melhor entendimento de pessoas habituadas a outra linguagem, tudo se dá como se fosse uma indução do tipo hipnótico, porém sem sugestão verbal, mas com comando subjetivo de cérebro a cérebro, desde que estejam em sintonia.

Podemos supor que os bloqueios de dor e as “curas” são consequências da transferência de energia quântica de um cérebro a outro nesse nível, juntamente com a projeção da imagem da anomalia já corrigida, mantendo a ideia da integridade física, ou seja, do efeito benéfico como se ele já estivesse realizado. Todas as impressões recebidas em nível psicosensorial subjetivo pelo receptor doente, ou, enfermo, são registradas na zona gnósica, banco de memória, ou, subconsciente do mesmo. A realidade interior da cura se expressa na realidade exterior, no físico.

No Eu Básico do receptor, o subconsciente do doente, ou, enfermo, se encarrega de fazer a decodificação e a correção do distúrbio no nível do físico, aproveitando o extra de energia recebido do doador. Quando a pessoa doente não acredita nessa possibilidade e não estabelece o contato mental harmônico com o doador, o efeito não ocorre. Daí a expressão do Mestre Jesus:- “a tua fé te curou, a tua fé te salvou…”, nos relatos de fatos em que houve o sucesso e foram denominados de milagre.

Alberto Barbosa Pinto Dias, Bacharel em História Natural (todas as Disciplinas Biológicas e Geológicas), Licenciado, Especialista. USP, 1955.
Qualquer questionamento sempre será bem recebido e respondido.

Postado em : Psiquismo

Deixe sua mensagem

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

.