Para Percepção do Essencial Relativo ao Psiquismo I

Para Percepção do Essencial Relativo ao Psiquismo I

Para Percepção do Essencial Relativo ao Psiquismo

O desenvolvimento do psiquismo começa na infância com a percepção do Mundo Exterior, o qual, aos poucos, se torna Consciente em seus detalhes.

Para tanto o homem desenvolve a atenção com concentração, que são fatores para uma boa memória. Concentrar-se é voltar todos os sentidos para o objeto da atenção, e essa é a natureza psicológica da atenção.

A Criança olha e pega, apalpa, cheira e lambe. Com isso grava os pontos de referência relativos a cada percepção feita a partir dos cinco sentidos, e registra na zona Gnósica relativa a cada sentido em cada Hemisfério Cerebral.

Aos poucos a criança sente que é necessária a lembrança de detalhes e passa a desenvolver a visualização, ou seja, a imaginação relativa ao que foi memorizado.

A atenção de uma criança comum está voltada para o Mundo Físico, e para suas sensações, e emoções resultantes dos diferentes tipos de relacionamento. Desenvolve mais a imaginação à base de visualização do que esteja armazenado na memória, sempre associada a sentimentos e emoções, pois até os sete anos há predominância de pulsos Tetha.

O raciocínio está limitado às deduções até os sete anos de idade na média. Depois dos oito anos de idade, na média, predomina a imaginação com pulsos Alfa, e começam as induções e deduções. Esse processo se desenvolve aos poucos até os 14 anos de idade, mas ainda não leva em conta a diferença do que seja provável, pouco provável, ou mesmo improvável.

Há adultos que se apresentam nesse estágio do desenvolvimento do raciocínio em relação a conceitos arraigados na infância, e mantidos como verdades pela repetição periódica desse tipo de ensinamento filosófico-religioso. Nos adultos desse tipo predominam as Crenças Limitantes, os sentimentos e as emoções associados desde a infância.

Um passo evolutivo do desenvolvimento psíquico se dá quando, mesmo antes dos 14 anos, o adolescente tem oportunidade de viver com adultos mais evoluídos mentalmente, e que buscam outras perspectivas para entendimento de informações básicas relativas às filosofias e religiões, ou mesmo, o desenvolvimento do psiquismo fora das crenças limitantes que são impostas na infância.

O desenvolvimento intelectual se dá quando a criança ou adolescente aprende a diferença entre o que é um raciocínio lógico e até razoável, do que seja um raciocínio lógico, pouco ou nada razoável. Depois dos 14 anos fixa a diferença entre o raciocínio lógico até razoável, mas pouco ou nada provável, do raciocínio lógico razoável e provável.

Muitas pessoas não alcançam esse nível de entendimento, tendo como consequência dois níveis de raciocínio, como que totalmente separados, como se o cérebro fosse um HD fracionado em compartimentos estanques: um para aceitar as coisas místicas, baseados nos pensamentos que forem lógicos e até razoáveis, mas pouco prováveis; outro: fazem um tipo de raciocínio para as coisas objetivas, onde só aceitam o que seja lógico razoável e provável.

Muitas pessoas, mas não todas, aprendem que sempre há outras perspectivas a serem consideradas, e que sempre há outra maneira de se pensar a mesma coisa. Aprende também, que o que se faz, depende de como se pensa, e então pode entender que sempre há outra maneira de se fazer a mesma coisa.

O pensamento passa a ser concreto direto e objetivo do lado material, mas pode conviver, por razões sociais, de modo inteligente em um meio onde predominem as crenças limitantes.

Muitos se desenvolvem com profissões liberais que são de pensamento concreto direto e objetivo, mas quando os rendimentos pessoais dependem dos emocionais que mantém as crenças limitantes como modo de vida, e é a maioria em todas as culturas, aqueles profissionais se acomodam e evitam discutir.

É indiscutível que nesse nível de desenvolvimento intelectual, onde predomine a imaginação criativa em relação ao que seja concreto direto e objetivo, não haja possibilidade de discutirem as fantasias dos demais, mas predomina a humildade e a prudência convenientes.

Um passo além é dado com o desenvolvimento das abstrações, que surgem em função de razões que se contrapõem, e é quando as mudanças de perspectivas são essenciais para manter o pensamento dentro do que seja uma razão lógica, razoável e provável, característica dos que pensam de modo pragmático, mesmo em função dos fenômenos psíquicos com seus efeitos subjetivos e objetivos.

Todo pragmatismo vem do hábito de se pensar em função do resultado de experiências, movimento esse, renascido com Francis Bacon, daí a redescoberta do conceito de que “A eficácia é a medida da verdade”, mesmo que seja uma verdade relativa a algum fato, ou, fenômeno.

Predomina a imaginação criativa tendo como suporte no que seja concreto direto e objetivo, bem como em relação ao que seja subjetivo até onde seja possível. Esse tipo de desenvolvimento em pelo menos 5% dos indivíduos em qualquer cultura é relativo à colocação do Apóstolo Paulo: “o que tudo discerne, mas não é discernido pelos demais”.

Em termos de psicologia atual, o sucesso da integração de uma Consciência, com integridade, se inicia quando o Consciente se integra completamente como Subconsciente, com um bom reforço de Ego e autoconfiança.

Depois a Integração do Ego com o Superconsciente é uma consequência facilitada quando a pessoa é introspectiva e dada às reflexões com meditação dinâmica, e assim se aprimora a ordenação das ideias e pensamentos, a possibilidade de análise, e dos questionamentos que são a base propulsora das Intuições eficientes.

O Superconsciente, ou, O Eu Superior, ou, A Consciência Superior Interna, ou rótulos mais antigos como Espírito Paternal, ou, o Espírito Protetor, ou, o Pai que em mim opera as obras, é o aspecto da Consciência do Homem, que pode estar ligado com Deus. Todos esses rótulos se referem à parte Divina da Consciência do Homem

Alberto Barbosa Pinto Dias, Bacharel em História Natural (todas as Disciplinas Biológicas e Geológicas), Licenciado, Especialista. USP, 1955.
Qualquer questionamento sempre será bem recebido e respondido.

Postado em : Psiquismo

Deixe sua mensagem

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

.