Atividade Psíquica Além do Corpo – 01 – Objeto da Psicologia Transpessoal

Atividade Psíquica Além do Corpo – 01 – Objeto da Psicologia Transpessoal

Atividade Psíquica Além do Corpo

Objeto da Psicologia Transpessoal

A palavra Energia foi criada há cerca de 300 anos para satisfazer uma lacuna na linguagem da comunicação. A palavra Energia é um símbolo que significa “um princípio geral de todas as ações”. Significa capacidade de ação, de trabalho, de produzir movimento, parada de movimento, formação, ou, deformação. Está relacionada com todas as ideias e pensamentos relativos à ação. Transformação, deformação, desmaterialização, rematerialização, criação subjetiva com efeitos objetivos.

Todas as modalidades de Energia conhecidas, medidas e quantificadas recebem nomes. Cada modalidade de energia conhecida e nomeada é caracterizada pelo seu estágio vibratório. Sabemos que em toda escala de energia vibratória conhecida, há intervalos de frequências que ainda não foram detectadas pela aparelhagem dos físicos e que por essa razão, ainda não foram caracterizadas e não têm nome específico.

Na antiguidade o conceito de Energia de um modo geral era expresso como “Verbo”, palavra que indica ação e energia, e é entendida como um princípio geral de todas as ações. “No Princípio era o Verbo”, (no princípio era a energia) e “O verbo estava com Deus e o Verbo era Deus” (Evangelho segundo João 1 de 1 a 5), de onde podemos entender Deus como sendo a Fonte de toda energia do Universo. A energia também era expressa como “Espírito” quando mobilizada pela Consciência de Deus, ou ainda, como “Virtude” nos casos em que sendo emanada pela Consciência de uma pessoa, à imagem e semelhança de Deus, era com efeitos benéficos.

Atualmente podemos usar a palavra “Espírito” nos meios místicos, mas de um modo geral para toda a Essência da Energia do Universo, principalmente para a faixa de frequências que ainda não tenha sido detectada, quantificada e nomeada, mas que podemos supor a sua existência por estar nos intervalos entre e ou além das oitavas de frequências percebidas e quantificadas.

O mesmo ocorre para as oitavas de frequências que atuam acima, porém ainda próximas as dos raios cósmicos, bem como as oitavas que vibram acima do platô do que é denominado Limite da Terceira Dimensão. Esta quarta dimensão pode ser entendida como o ALÉM (da matéria), porém, as frequências vibratórias da energia desta última, sendo Energia de “Quarta Dimensão”, comumente denominam-se Espírito, porque temos a ideia de que é nessas oitavas de frequência vibratória que opera a porção de Energia Consciente e Inteligente que manifesta a personalidade de Alma de cada ser humano. Daí as expressões: “espirituoso” “cheio de espírito”, e “carismático”.

As oitavas de frequência vibratória que, pertencem à Terceira Dimensão e que podem ser medidas e quantificadas, têm nome próprio, atribuído como: tacto, som, ultrassom, eletromagnetismo, calor, luz, R-X, R-gama, Raios Cósmicos, etc. e atuam na dimensão do Espaço – Tempo. Assim entendemos como pertencente à Terceira Dimensão tudo o que, sendo percebido, com os sentidos e ou com aparelhagem, e possa ser medido e ou quantificado. O que for de uma “quarta dimensão” pode ser percebido psiquicamente, ou seja, apenas “sentido”. São frequências vibratórias que vão além das frequências denominadas de “Raios Cósmicos” conhecidos e quantificadas por aparelhos e nos causam impressões subjetivas.

Repetindo o enfoque dado, para reforço de entendimento, a gama de energia que pode ser criativa e construtiva e foi denominada “Virtude”, expressa pelo Senhor Jesus e relatada nos Evangelhos, indica a porção de “Espírito” que está relacionada com a Vontade e a Intenção do Homem de boa vontade.

É a Energia que é mobilizada como Consciência, e a partir de uma Consciência atuando nas três dimensões conhecidas como Plano Material, ou, Terceira Dimensão, como também atua na Quarta Dimensão, conhecida como “Plano Espiritual” quando no sentido místico. Suas frequências vibratórias são bem acima das frequências dos raios cósmicos. A energia “Virtude”, ou, seja o “Espírito”, atuando na gama de frequências vibratórias relacionadas com a nossa Vontade, manifesta-se quando a Consciência, como porção consciente de existir, de modo Inteligente, move-se e comporta-se de acordo com as ideias que recebemos a respeito da energia, segundo os conceitos da mecânica quântica.

- “Alguém me tocou”, disse Jesus o Cristo.

- “Oh! Mestre! Como dizes que alguém o tocou? Estás no meio de uma multidão e todos O tocam”, respondeu o Apóstolo Pedro.

- “De mim saiu virtude…”, respondeu Jesus o Iluminado, e na linguagem de hoje: – “perdi energia, perdi carga,… o meu potencial de energia vital baixou… houve movimentação de energia… perdi um quantum de energia”. Etc.

E assim se curou uma mulher que sofria de um fluxo de sangue…

A atuação do Campo de Energia, conhecido como Consciência no Homem, bem como suas qualidades como Inteligência e Vontade dependem da Percepção, e a Percepção depende da vontade de perceber.

Ninguém percebe o que não espera perceber. – “pedi e dar-se-vos-há” (JC). Pedir é estar com a Consciência aberta a outra Consciência Maior, ou, mais abrangente, até mesmo para uma que supostamente seja onisciente, onipresente e onipotente, que pode inclusive abranger o inconsciente coletivo humano, além do Universo como Um Todo.

“Pedir para saber” é gerar uma expectativa, a qual favorece perceber alguma forma de energia inteligente, seja atuante no plano físico, seja no mental intelectual, ou ainda como um enfoque mental no que é denominado plano espiritual.

Presumir que já sabemos tudo é estar fechado às novas percepções e ao aprendizado. O conhecimento poderá ser percebido no nível em que é solicitado, como expectativa em resultado de novas experiências. O pedido geralmente vai até onde a imaginação de cada um alcança, até onde a percepção, como consequência do nível de imaginação, permite, e o desejo com persistência e expectativa possa determinar.

Os Aspectos da Consciência

A psicofilosofia dos nativos havaianos é simples e permite entender melhor nossa Consciência. Segundo eles, Nossa Consciência tem três aspectos que são nossos três Eus, (Selves). Nós temos um Eu (self), denominado Eu Básico que é um dos aspectos da nossa Consciência que atua no plano material, em nosso corpo físico. O Eu Básico, trabalha no nível do que é denominado subconsciente pela psicologia, mas controla todos os reflexos inatos e adquiridos e mantém todas as informações do Banco de Memória que estabelece os limites do subconsciente. É o aspecto da consciência responsável pela expressão da personalidade, sendo esta a somatória dos reflexos inatos e adquiridos, bem como pelas posturas físicas, pelos gestos e expressões faciais inconscientes que revelam as atitudes, as quais são as expressões das Intenções da Consciência como um todo. Regula as reações químicas do Corpo Físico, o qual se sustenta à custa de suas 5.000 Reações Químicas Vitais naturais. Administra os reflexos nervosos e secreções glandulares associados com sentimentos e emoções.

Um segundo aspecto da nossa Consciência, nosso Eu Superior, está trabalhando na Quarta Dimensão, no nosso plano espiritual, ou, no que poderia ser O Pai em mim. Ele é responsável pelas ações à distância e as conversões de energia de baixa frequência procedente do Eu Básico (energia vital), em fluxo de energia de alta frequência e de grande poder, emitido como uma onda quântica.

Esse aspecto, o Eu Superior, é conhecido como sendo a parte de nossa consciência de “nível espiritual”, que pode agir no além, alem do corpo, ou, Transpessoal.

É a parte de nossa consciência que é tida como divina, ou, que possa ter contato com a divindade (1ª Epístola de Paulo aos de Corinto, Capítulo 3, verso 16; idem para 6: 19). Também há outras expressões para o mesmo conceito, tais como o Espírito Paternal, o Anjo da Guarda de cada um, o “Anjo que acampa ao redor daqueles que temem ao Senhor”.

É a parcela da Divindade recebida por nós, e que compete a cada um. Cada rótulo pode ser dado de acordo com a base do entendimento de cada indivíduo, ou, de acordo com a crença transmitida em seu próprio grupo cultural, pois existe a possibilidade de que o resultado de uma mesma percepção em diferentes pessoas resulte em diferentes entendimentos, nomes, ou, rótulos.

Temos mais um terceiro aspecto de nossa Consciência que é o nível “consciente”, ou, Eu Médio, que tem Consciência da sua própria existência e pode chegar a serem conscientes da existência dos outros dois aspectos mencionados anteriormente. O nosso Eu Médio, nível consciente da Consciência, lógico, racional e analítico, que pode exercer a Vontade se o Eu Básico fornecer a energia vital.

O Eu Médio pode se ligar com o Eu Básico por introspecção, estimulando-o a fornecer energia ao Eu Superior, como se ele, o médio, intermediasse os outros dois. Se estiver integrado com o Eu Básico pela introspecção profunda, o Eu Médio determina mudanças nas reações químicas vitais (fisiológicas), bem como pode fornecer a energia para as ações do Eu Superior.

O Eu Médio tem a consciência de que o Ser tem uma base material, animal, bem como pode ter consciência de que há o lado do psiquismo intra e extrafísico, espiritualizado ou não, com habilidades psíquicas que podem ser naturais, ou, a serem conquistadas e usadas.

É a porção da Consciência que pode mostrar bom senso, equilíbrio, agir em “Espírito Santo”, ser iluminado em um clarão de introspecção, e quando integrado com o Eu Superior é um Ser Esclarecido. 1º aos de Corinto, 2: 9. O resultado é o que sugere 1º aos de Corinto, Capítulo 2: versos 14, 15, 16. Confiram.

Alberto Barbosa Pinto Dias, Bacharel em História Natural (todas as Disciplinas Biológicas e Geológicas), Licenciado, Especialista. USP, 1955.
Qualquer questionamento sempre será bem recebido e respondido.

Postado em : Psiquismo

Deixe sua mensagem

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

.