A evolução do Psiquismo – 01

A evolução do Psiquismo – 01

 A Evolução do Psiquismo

Observando-se o físico de um Homem, verificamos que passou por mutações gênicas adaptativas que resultou na postura ereta, a qual ajuda a renovar a linfa, fluindo da cabeça para o coração por ação da gravidade. A linfa, parte líquida do sangue é rica em substâncias alimentícias bem como do oxigênio necessário para maior atividade e desenvolvimento do encéfalo. Assim a postura ereta pode ter favorecido esse desenvolvimento.

O soro sanguíneo que alimenta as células também é renovado na musculatura pelas contrações seguidas de descontrações, pois funcionam como bomba aspirante-premente. Portanto, a renovação da linfa, ou, líquido intersticial, se faz na medida dos exercícios físicos. O líquido intersticial deve conter oxigênio e demais nutrientes para as células e, remove as toxinas resultantes do metabolismo celular ao ser renovado.

Sendo treinados como ginastas, os indivíduos mostram extremos de habilidades reflexas condicionadas, quando consideramos a complexidade dos movimentos integrados pelos Sistemas, nervoso, muscular e alavancas ósseas. Um corpo físico que seja acionado com plenitude pela inteligência para habilidade de movimentos, mostra uma mobilidade que está muito além das necessidades diárias. Por essa razão podemos dizer que nas condições atuais, o corpo físico está evolutivamente perfeito, pois conservou o potencial genético das habilidades para todos os movimentos observados nos seres pré-existentes na escala evolutiva.

Cientistas que estudam a genética moderna, fazendo comparação entre os genomas de humanos e de chipanzés, descobriram que alguns genes humanos responsáveis pela evolução da estrutura do cérebro, não são encontrados nesses antropóides. Alem disso, em alguns seres humanos, genes mutantes poderiam ser responsáveis pela evolução de novos circuitos neurológicos que, não são encontrados em toda a população (neuroplastia).

Alguns dos genes que determinam o tipo sanguíneo estão aparentemente no mesmo loccus cromossômico que os genes que determinam o suco gástrico e entérico (suco digestivo no estômago e nos intestinos). Alterações cromossômicas que resultam em alterações do suco gástrico manifestam as adaptações evolutivas às variações do tipo de alimento disponível nos últimos dois a três mil anos e, estão associadas a alterações genéticas dos tipos sanguíneos A, B, AB, O.

Partindo do tipo O, o mais antigo, seguem os mutantes A e B, na medida em que as populações aumentaram e foram passando de nômades coletores de alimentos para núcleos agrícolas e pastoris. Tendo mudado o meio ambiente, mudou o tipo de alimentação e conseqüentemente houve adaptações em termos de digestão. O mutante Tipo Sanguíneo A se fixou nas planícies e o mutante Tipo Sanguíneo B mostrou-se mais adaptado às montanhas. Alimentos adequados para um tipo sanguíneo podem não ser adequados para outro tipo. Assim sendo as últimas mutações de expressão física, são de efeito relativo à fisiologia.

A atual e mais evidente evolução possível ao Homem é no nível do psiquismo e, são relativas ao intelecto e às habilidades psíquicas quando estas têm condições de se manifestar. Elas se devem a evolução de circuitos neurológicos, e podem ser, como no caso das habilidades para movimentos do corpo, muito alem do que o homem comum possa imaginar. O progresso das civilizações em grupos culturais foi acompanhado de uma sensível evolução mental com a intelectualidade alavancada pela linguagem falada e escrita.

As habilidades psíquicas que produzem fenômenos considerados paranormais são demonstradas por alguns indivíduos diferenciados desde os povos mais antigos. Elas sempre despertaram a curiosidade e o interesse dos mais cultos e o temor dos ignorantes. Também observamos o temor nos indivíduos cultos, que sejam intelectualmente limitados por barreiras psicológicas, mais evidentes entre os envolvidos em propagar as crenças religiosas.

 É verdade que o desenvolvimento da tecnologia e a perseguição aos bens materiais evoluíram mais rapidamente no Ocidente, dando-se o inverso no Oriente até o inicio do século XX. Este fato fez com que, no mundo ocidental se atribuísse menos importância para as habilidades psíquicas e para os seus efeitos.

Quando os norte-americanos chegaram às terras havaianas, depararam com a ação dos magos nativos denominados Kahunas, os quais eram psíquicos extraordinários. A atividade psíquica desses magos e os seus conhecimentos práticos de ação subjetiva com efeitos objetivos, não podiam ser entendidos nem pela mentalidade materialista nem pelos conhecimentos científicos da época, e menos ainda pelo entendimento dos místicos religiosos que acompanhavam os colonizadores, pois estes eram mentalmente limitados pelas crenças que sustentam sistemas religiosos organizados de forma arbitrária.

Entendemos por Magos indivíduos que, são capazes de mobilizar energias não detectáveis por aparelhagem física, mobilização essa com um simples enfoque mental adequado e resultante da vontade, obedecendo a Intenção de uma Consciência.

O povo havaiano era considerado primitivo em relação à tecnologia e às armas desenvolvidas pela civilização ocidental, mas em contrapartida os magos havaianos, os Kahuna, eram telepatas, videntes, clarividentes e proporcionavam ajuda aos doentes com transferência de energia vital por enfoque Mental. Eles surpreenderam o tipo religioso norte-americano, que chegando ao Havaí depois dos militares, queria proporcionar o ensino cristão de forma literária e menos prática do que a do Senhor Jesus, e coincidentemente a dos magos havaianos.

Os teólogos dos Estados Unidos da América do Norte e de outros locais falavam dos milagres do Senhor Jesus, mas não mostravam habilidades psíquicas que os caracterizassem como “discípulos eficientes” aos olhos dos nativos acostumados com os Kahunas, que eram magos eficientes.

O segredo do controle das ações psíquicas dos nativos havaianos, a Huna, era guardado e somente passado para os escolhidos, geralmente de pais para os filhos que mostrassem sensibilidade e interesse, mas não para todos.

Uma parte do povo havaiano, cansado de ouvir preleções e de não ver ações com habilidades psíquicas nos seus preceptores religiosos e mais ainda, cansados de esperar pela prometida volta do “Grande Kahuna”, relatada pelos colonizadores, abandonou as igrejas, onde haviam ajudado a construir os Templos. Seguiu-se a isso uma atitude de repressão das autoridades americanas, a pedido dos religiosos que, se acharam diminuídos pela ação dos Kahunas.

A repressão foi do tipo físico com as prisões e com injuria moral com condenações dos autênticos psíquicos nativos. As autoridades civis, desejando cumprir a lei estabelecida dentro dos conceitos da ética e da moral da filosofia dos brancos, não apresentavam compreensão, entendimento e nem respeito pela civilização e tradições locais.

As condenações e as prisões, injustificadas no entendimento dos Kahuna, eram seguidas de inexplicável paralisia e morte dos implicados na repressão. Assim, a repressão física, como atitude e como ação, perdeu diante da efetiva “oração da morte” dos Kahuna que, como habilidade psíquica, atingiu principalmente os promotores e os juizes que os condenavam.

Essa reação por parte dos magos aprisionados injustamente, sendo do tipo psíquico, era apenas observável em seus efeitos. As coincidências entre prisões com condenação dos havaianos e as mortes das autoridades, fizeram as remanescentes refletir melhor a respeito do que seria uma ação do “tipo espiritual” onde a eficácia é a medida da verdade, mas sem que pudessem dispor das provas objetivas a respeito.

O resultado foi à libertação daqueles que foram presos devido às leis geradas pelos preconceitos religiosos. Isso nos faz refletir que, se alguns dos que foram condenados como bruxos pela santa inquisição soubessem realmente mobilizar todos os aspectos possíveis da energia no nível do psiquismo para dar um troco, teriam se defendido da sanha dos fanáticos religiosos da Europa na idade média. Procuremos entender esses fatos em termos de evolução do psiquismo.

Alberto Barbosa Pinto Dias, Bacharel em História Natural (todas as Disciplinas Biológicas e Geológicas), Licenciado, Especialista. USP, 1955.

Qualquer questionamento sempre será bem recebido e respondido.

Postado em : Psiquismo

Deixe sua mensagem

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

.