01º – Huna – Um Método Eficaz nas Práticas de Cura

01º – Huna – Um Método Eficaz nas Práticas de Cura

“Huna – Um Método Eficaz nas Práticas de Cura”

 Tema proposto pelos organizadores do Encontro – Huna, ano 2007 - Veranópolis, RS

Procuremos entender o passado observando o presente. Na atualidade, em todos os povos de todas as regiões do Globo Terrestre, podemos observar pessoas com algum, ou alguns tipos de habilidades psíquicas. A maioria das pessoas que têm habilidades psíquicas torna-se ligada com alguma atividade do tipo psicoreligiosa.

Observamos que há diferentes culturas em todo Globo Terrestre e diferentes atitudes psicoreligiosas em cada uma delas, com diferentes crenças e diferentes rituais. Assim sendo, as habilidades psíquicas apresentadas pelas diferentes pessoas em diferentes culturas, não dependem necessariamente de uma determinada crença, de um determinado ritual, ou, de uma determinada psicoreligiosidade. Observamos também que, em uma população, o número de pessoas que apresentam habilidades psíquicas é de 3% na média. São os denominados sensitivos naturais, mas nem todos se revelam devido o tipo de educação racional que é dada nas escolas, que desenvolve o hemisfério esquerdo em detrimento do direito que é criativo.

As habilidades psíquicas mais comuns são relativas ao talento da visão, como a telepatia, a vidência e a clarividência, as quais dependem de uma hiperestesia. Também há que se considerar o poder de ajudar as pessoas doentes e enfermas com a transferência de energia. Os psíquicos podem agir sobre plantas e animais. Todas essas habilidades são conhecidas como pequena magia.

Há as habilidades mais raras como a telecinésia, a desmaterialização com teletransporte e rematerialização em outro local, e outras, como o domínio sobre os elementos da natureza. Estas são relativas à Grande Magia.

Entende-se por magia todas as habilidades psíquicas que impliquem em movimentação de uma forma de energia vibratória que não é detectada pela aparelhagem dos físicos, mas suas ações são percebidas pelos seus resultados associados à uma intenção que, pode ser manifesta anteriormente à ação.

Toda ação de magia que chame a atenção em um meio ambiente, onde a maioria desconhece a origem da energia psíquica e o modo de como aplicá-la, estimula os intelectuais a encontrar explicações que sejam satisfatórias, e estas, são denominadas hipóteses. Estimula também a fantasia e a imaginação de pessoas desinformadas, ou com informações restritas a um campo da cultura.

Quem sabe faz, quem não sabe fazer quer ensinar ou quer liderar.

As hipóteses relativas às habilidades psíquicas servem para desenvolver filosofias.

Também as habilidades psíquicas servem, da parte dos que as apresentam, para impressionar os observadores e divulgar alguma filosofia que pode ser própria, mas que, na maioria das vezes é emprestada.

 As filosofias que além de sugerir um conhecimento a respeito de assuntos ligados a um mundo alem do físico, também sugerem conceitos de ética e de moral, podem ser, e muitas vezes são, aproveitadas para sustentar sistemas religiosos, onde uma liderança estabelece normas, princípios, dogmas e ou fundamentos, os quais caracterizam cada uma das religiões. Assim cada uma das religiões é um sistema arbitrário organizado. Toda organização tem a tendência de defender sua filosofia e seu sustento.

Cada religião possui um ritual de adoração a uma ou mais, supostas divindades, ou ainda às pessoas divinizadas. Cada uma delas oferece aos possíveis adeptos que têm pensamento abstrato, um Deus abstrato; um ou mais homens divinizados como padrão de comportamento aos que têm pensamento concreto, direto e objetivo; miríades de deuses e ou seres afins aos que ainda vivem no mundo da imaginação, da fantasia, de um uhane em evolução, ou seja, com um nível consciente pouco evoluído, seja no sentido da informação, seja no intelectual, ou, no do desenvolvimento do psiquismo.

O que podemos observar em relação aos rituais de cada uma das religiões e ou sistemas, é que são atos repetitivos, como preces, danças, cânticos com palavras repetidas, mantras, mandalas, e como tal, favorecem estabelecer reflexos condicionados que levam a automatismos.

Os automatismos são o resultado da repetição continuada e periódica de atos voluntários, que tornados reflexos, favorecem o desenvolvimento de estados alterados de consciência, ou, diferentes “estados de espírito”. Estes “estados de espírito” podem diferir em profundidade de introspecção e consequentemente diferem em nível de energia neurológica disponível.

(continua)

 

Alberto Barbosa Pinto Dias, Bacharel em História Natural (todas as Disciplinas Biológicas e Geológicas), Licenciado, Especialista. USP. 1955.

[vc_row full_width="" parallax="" parallax_image=""][vc_column width="1/1"][vc_facebook type="standard"][/vc_column][/vc_row]

 

Postado em : Huna e Cura

Deixe sua mensagem

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

.